25.2.07

Jornais: espécie em vias de extinção

O JORNALISMO DE REFERÊNCIA, segundo dizem, está cada vez mais parecido com o lince-da-malcata. É uma espécie em vias de extinção. Aguardo por um documentário da National Geographic na redacção do DN. Uma acção aparatosa da Greenpeace na Avenida da Liberdade. Cartazes escritos a letras gordas "parem a matança".
Nos últimos três anos, entre efectivos e interinos, o Diário de Notícias teve seis directores. O Público reestruturou-se de cima a baixo e cremou o velho logótipo. O Expresso reestruturou-se de baixo a cima e expulsou o velho guru. Os leitores, esses, continuam a acenar com a mão: adeusinho.
A maneira fácil de encarar o problema é falar na iliteracia ou nos novos media - dois extremos, o mesmo argumento: não há espaço para os jornais. A maneira mais difícil é admitir que a qualidade do que se imprime é, no mínimo, duvidosa. Porquê? Porque jornais e jornalistas funcionam em circuito fechado. Escrevem para as fontes e para os colegas, como se os leitores não fossem aqueles para os quais trabalham, mas aqueles que têm o dever moral de os ler. Porque são superficiais. Confundem a construção das notícias com o relato do que dizem as partes em confronto, recusando a análise e comprometendo um jornalismo adulto e sofisticado. Porque têm demasiados preconceitos. Deixam de lado dezenas de boas histórias, etiquetadas como "popularuchas", esquecendo que a grande distinção entre um jornal de referência e um popular não está na escolha das notícias mas no seu tratamento. Porque lhes falta agressividade.
O jornalismo português não está a cumprir o seu dever de vigilância sobre os poderes - não irrita ninguém, não incomoda, é bem comportado, pouco curioso, insosso. Porque há um défice de criatividade. Existem canais de televisão com 24 horas de notícias, informação online, diários gratuitos, mas os jornais continuam a encher páginas com noticiário morto na véspera em vez de centrarem os seus recursos nas histórias que são só suas.
Os leitores não são estúpidos. Os jornais de referência é que se estão a transformar nos dodós do século XXI. Extintos por incapacidade de adaptação.
João Miguel Tavares - «DN» de 24 Fev 07 - [PH]

1 Comments:

Anonymous Anónimo said...

O «Público», em certos aspectos, parece que "mudou só por mudar" - nomeadamente na localização de "coisas" que sabíamos onde encontar.

Quando é assim, o leitor fica confuso e não agradece.

E a mudança do logótipo? Francamente! Pior do que isso, só a TAP, que já vai em 4 ou 5. Vantagens para o leitor? ZERO.

Ed

25 de fevereiro de 2007 às 19:08  

Publicar um comentário

<< Home