22.2.07

Tempo ao tempo

A CRESCENTE INDISCIPLINA nas escolas portuguesas impõe que disposições sérias sejam adoptadas para que a triste educação dos Portugueses não vá de mal a pior.
A anormalidade não pode ser adoptada, nem aceite, como o estado vigente e correcto das liberdades e direitos dos alunos. Chegou-se a um ponto em que se impõe que se ponha termo ao excesso de permissividade existente no sistema educativo português.
Para que tal seja possível, impõe-se que o Ministério da Educação reforce a autoridade dos professores, de modo a que haja disciplina nas aulas e motivação nos alunos de molde a criar-se um novo ambiente que permita uma sã convivência entre todos.
Por muito distendidas que sejam as relações e compreensivos que hoje sejam os professores, os estudantes não podem permitir-se a preferirem um MP3 ou um ipod aos ensinamentos dos seus professores numa sala de aulas.
É importante que os alunos saibam, e possam verificar na prática, que distrair os colegas ou importunar o esforço educativo dos professores não pode ficar impune. Se assim se proceder, muita coisa poderá melhorar em Portugal. É só dar tempo ao tempo!
«25ªHORA» - «24 horas» de 21 Fev 07

Etiquetas:

1 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Com a atmosfera que se vive nas escolas, com o desalento e humilhação da maioria dos professores por parte do actual Ministério da Educação, a situação só tenderá a piorar.
Ninguém é de ferro. Para que a escola contribua para a disciplina dos alunos e combata a indisciplina, os professores não podem, como tem acontecido, ser permanentemente humilhados, acusados e tidos por imbecis.
Pena que não haja jornalistas que percebam o que efectivamente se passa. Dizem lugares comuns, fala-se em conversas de café e o que vem nos media é o eco dessas conversas ou a transcrição acrítica de comunicados da tutela.

24 de fevereiro de 2007 às 02:05  

Publicar um comentário

<< Home