16.1.08

Nápoles? Não; Roma e Berna (Avenidas de)

14 Jan08

AO CONTRÁRIO DO QUE POSSA PENSAR-SE, estas fotos não têm em vista apontar qualquer incúria dos serviços de limpeza da CML. Nada disso! Com grande profissionalismo, e por vezes mais do que uma vez por dia, o pessoal respectivo faz o que pode. O pior... Bem, o pior é a incivilidade militante; é a absoluta ausência de amor pela cidade que caracteriza uma população para quem ela pouco ou nada diz.

*

Ainda hoje protagonizei uma cena desagradável:

Uma senhorita, com o carro estacionado numa finíssima zona das "avenidas novas", entretinha-se a atirar, pela janela, folhas de papel A4 para o passeio - depois de devidamente amarfanhadas.

Passei por ela e limitei-me a olhar para o que se estava a passar, deitando-lhe um olhar de censura. Fechou o vidro do carro e arrancou, olhando para mim, de sobrolho franzido e em ar de desafio, grunhindo qualquer coisa como «O que é que foi?!».

*

Eu, dantes, saía de Lisboa para "arejar". Hoje, quando o faço, o verbo associado é "fugir".

3 Comments:

Blogger Buriti said...

Como eu compreendo o seu desabafo! Só que já não adianta "fugir" de Lisboa, o que adianta é fugir de Portugal.
Portugal é formado em grande parte por esse tipo de pessoas, literal e metaforicamente falando. Gente que faz e que vive no lixo. Perante isso, não nos admiremos por ter quem temos a tomar decisões. Um asco.

16 de janeiro de 2008 às 19:05  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

O próprio António Costa fugiu de Lisboa e mora, já há algum tempo, perto de Janas (zona de Sintra).

Faz muito bem. Por lá, existem bons lugares onde as pessoas têm amor às terras: Gouveia, Azenhas do Mar, a Vila (velha) de Sintra, S. Pedro...

E há, felizmente, muitas outras terras assim, como Óbidos Castelo de Vide, Tavira, etc. etc.

Lisboa paga o preço de ser uma grande cidade, cheia de gente que entra e sai e sem qualquer ligação a ela (nem por nascimento nem por residência).
Deve ser assim um pouco por todo o mundo, exigindo uma atenção redobrada dos autarcas - coisa que, em Lisboa, há muito tempo que não sucede.

16 de janeiro de 2008 às 19:39  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

(Comentário enviado por Rui Gustavo Crespo):


Sugiro que faça como na Escandina'via, pegar nas folhas amarfanhadas e
deita'-las dentro do carro dizendo claramente: "Esqueceu-se de deitar
no chao da sua casa, mas se o nao quiser faze-lo perto de si ha' sempre um cesto de lixo".
Ja' fiz isso por diversas vezes, a resposta e' sempre a mesma "caiu!"

17 de janeiro de 2008 às 13:50  

Publicar um comentário

<< Home