17.1.14

Letra de uma religiosa portuguesa

Por Ferreira Fernandes 
Uma capitular, "D", num livro português de orações do século XVI, tem um desenho do que parece ser um canguru, animal que só há na Austrália. O manuscrito, feito por uma freira de um convento das Caldas da Rainha, é de entre 1580 e 1620, o que talvez diga que fomos os primeiros europeus a chegar ao continente australiano. Geralmente atribui-se ao navegador holandês Willem Janszoon essa primazia, em 1606. O desenho naquela letra capitular, a comprovar-se tudo, vem na esteira da maior das probabilidades: desde que chegaram a Malaca (há 500 anos, em 1511), os portugueses navegaram para sul, descendo pelo arquipélago da Sonda, por Java, Flores e Timor, havendo notícia portuguesa desta última ilha, já fronteira à Austrália, em 1514. Mas chegar primeiro é relativo, o que importa é ir, voltar, contar, voltar a ir, trocar, trocar, trocar... Tornar património dos homens todos o que era desconhecido e só de desconhecidos - afinal, o que fizeram os portugueses, um pouco por todo o mundo. Para a Austrália, é verdade, o capitão James Cook, que só chegou lá em 1770, fez mais: integrou-a num império. Em todo o caso, eu torço também pela nossa freira: ela descobriu (destapou, franqueou, mostrou...) o canguru ao mundo. Se este não o topou, ou se só o fez tarde, não foi culpa da nossa descobridora: ela até escolheu para capitular a letra D, de Descobertas. 
«DN» de 17 Jan 14

Etiquetas: ,

2 Comments:

Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Delicioso trocadilho (no título da crónica) de "Letra" com "Lettre", referência às «Cartas de uma Religiosa Portuguesa» (da Soror Mariana Alcoforado, escritas em francês)

17 de janeiro de 2014 às 11:04  
Blogger José Batista said...

Kangaroo in 400-year-old manuscript could change Australian history

A 16th century manuscript featuring an image that looks like a kangaroo could prove that Portuguese explorers discovered Australia before the first recorded European landing in 1606

By Bernd Debusmann
8:19PM GMT 15 Jan 2014

A drawing of a kangaroo on a 16th century Portuguese manuscript could potentially change the world's understanding of Australia's history.
The manuscript, which is thought to date from between 1580 and 1620, appears to show a small kangaroo within the letters of its text. If the image actually is a kangaroo, the drawing suggests that Portuguese explorers may have discovered Australia before the first recorded European landing on the continent by Dutch navigator Willem Janszoon in 1606.
The document, which contains text or music for a liturgical procession, was recently acquired by the Les Enluminures Galley in New York, which has valued the item at $15,000 (£9,174). It was previously in the possession of a rare book dealer in Portugal.
Laura Light, a researcher at the gallery, told Australia's The Age newspaper that "a kangaroo or wallaby in a manuscript this early is proof that the artist of this manuscript had either been in Australia, or even more interestingly, that travellers' reports and drawings of the interesting animals found in this new world were already available in Portugal."
The text also includes the image of two half-naked men wearing crowns of leaves, which researchers believe may represent Australian aborigines.

Others, however, are not so convinced.
(…)

In “The Telegrafh”

17 de janeiro de 2014 às 22:20  

Publicar um comentário

<< Home