6.12.14

Quem se lixa é o mexilhão


Por Antunes Ferreira
“AO CONTRÁRIO do que era o jargão popular de que quem se lixa é o mexilhão, de que são sempre os mesmos (...) desta vez todos contribuíram e contribuiu mais quem tinha mais, disso não há dívida", afirmou Coelho, em Braga ao encerrar um seminário sobre Economia Social, organizados pela União de Misericórdias de Portugal. A notícia é do Correio da Manha, ups, com til e afigura-se-me muito interessante.

Coelho, aparentemente, interessa-se por ditados, o que não é exactamente por diktats. Desta feita escolheu o exemplo do “quando o mar bate na rocha quem se lixa é o mexilhão” para o negar peremptoriamente afirmando sem pejo que “(…) desta vez todos contribuíram e contribuiu quem tinha mais” Se fora Portas a fazer tal afirmação teria dito que ela era irrevogável; mas para o chefe do (des)Governo “disso não há dúvidas”. O trocadilho fácil que eu queria evitar, saiu-me: Mas há dívidas…

Num contexto gravíssimo como é este que estamos a viver quotidianamente, o (des)Executivo não pára de dar arrotos de importância. É a Dona Maria Luís que afirma convictamente que todos os que se pronunciam negativamente sobre o OE 2015 estão errados; o único que está certo é o gangue em que está inserida. É Portas quem quer voltar atrás (honny soit…) no (des)feriado de 1 de Dezembro, enquanto o nosso primeiro diz que nem penar, talvez daqui a cinco anos.

No meio da salganhada há até quem diga que a coligação está uma outra vez em risco, o que me cheira a reprise, desta feita quiçá irrevogável. As frases e as palavras que as constituem estão cada vez mais prostituídas; mas, infelizmente não são só elas: é o país que se transformou num bordel que vive num pântano lamacento e mal cheiroso. E eu que também sou gente – ainda que, por vezes não pareça – cito também um dito popular. Deus manda ser bom, mas não manda ser parvo.

É, bem vistas as coisas, disso que se trata: os membros deste (des)Governo querem fazer de nós parvos. E se calhar somos: parvos e péssimos (o mau não chega), agachados ou inclinados como se devem fazer as vénias. E sofredores. E pacientes: E sem coluna vertebral. Sá assim se podem qualificar os portugueses (que também sou); se fôssemos de outro jaez, as coisas não estavam assim, plácidas e serenas.

Basta vermos as reportagens televisivas sobre a Grécia e os Estados Unidos (e são apenas dois exemplos dum pot-pourri generalizado) para compreendermos que somos uns bananas, o que para mim é não só desagradável, não é só irritante – é criminoso. E não me venham com Aljubarrota e com os Descobrimentos, com os conjurados do João Pinto Ribeiro, ou seja com o “passado glorioso”.

Porque a verdade é que o Dom Sebastião nunca voltou do nevoeiro montando um cavalo branco; porque a verdade é que Sidónio Pais o Presidente-Rei mal chegou ao poder foi assassinado; porque a verdade é que Oliveira Salazar não era eterno: uma conspícua cadeira tornou-o num imbecil que julgava que os ridículos conselhos de ministros eram verdadeiros e não uma encenação burlesca e dramática.

Coelho enveredou pelos adágios populares – a opção é dele – mas podia ter usado termos mais politicamente correctos. O povo também usa o termo mexilhão, mas muitas vezes não usa que é este que se lixa: usa a palavra de calão que não é “trama”, mas que é exactamente a mesma coisa.

Para mal dos nossos pecados (os meus são muitos, mas vivo excelentemente com eles…), quem não se sente, não é filho de boa gente; e pelo andar da carruagem coelho nem se sente. No tempo da outra senhora havia uma quadra popular que dizia:

Dos dois Antónios

de que Lisboa desfruta

Um é filho da Sé;

E o outro… não é…

Etiquetas:

1 Comments:

Blogger Leo said...

É só (des)Executivo e (des)Governo. E os homens até conseguiram cumprir, até agora, as metas a que se propuseram. Mas não merecem crédito. Eles são o (des)Executivo, um gangue.
Não assinaram, até agora, nenhum contrato de concessão ruinoso, nem se mergulharam em obras faraónicas, mas são o nosso (des)governo.
Conseguiram baixar o desemprego e as taxas de juro. As exportações aumentaram e o tecido empresarial cresceu, mas são manfias de um gangue.
O país ganhou credibilidade, mas isso foi só lá fora. A nós é que este (des)Governo não engana.
Bons, foram o Soares e o Sócrates e porque não o Guterres. Ou então, os respeitáveis comunas, agora que já ninguém se lembra dos 100 milhões de inocentes que morreram sob o seu jugo, ora à fome, ora assassinados.
Viva os feriados católicos, para quem é e para quem não é católico. Essa respeitável instituição, cuja história se fez à custa do sangue de milhares de cidadãos do mundo e cujos crimes continuam sem "expiação". E viva todo o rol de demagogos. Portugal não seria o mesmo sem eles. Eles são o fado dos coitadinhos que nunca estão bem e o fado é património.
Se o nosso país tem um povo sábio - diferente de culto - e sereno, pois então são uns bananas, uns "criminosos" pelo silêncio. Devíamos era ir para a rua partir e incendiar tudo para mostrar o quão corajosos somos. Mas, afinal, a Grécia já fez isso e ainda lá anda com as avaliações negativas da troika, para não falar das montras que ficaram partidas, os carros incendiados, as lojas pilhadas. Grandes gregos, um exemplo!
Tomara muitos povos a nossa sensatez, a nossa tolerância e porque não, a nossa Alma Lusitana.

8 de dezembro de 2014 às 02:25  

Publicar um comentário

<< Home