23.2.17

Quo vadis, União Europeia?

Por C. Barroco Esperança
A União Europeia (UE) já tinha problemas que chegassem. À crise financeira, que abala os países do sul da Europa, juntou-se a incapacidade de integração económica, política e social, sem a qual até a moeda comum colapsará.
 O drama dos refugiados e a incapacidade de os integrar criou emoções xenófobas, que o terrorismo islâmico exacerba e os partidos populistas capitalizam. Depois da queda do muro de Berlim, saudada com júbilo, erguem-se agora novos muros e regressam velhas rivalidades internas, ameaçando a democracia e a civilização.
 Em vez da harmonização fiscal na UE, existe a competição; em vez de uma diplomacia comum, os países mais ricos disputam zonas de influência. A defesa, sempre protelada, ficou à mercê de Trump, um protofascista imprevisível, e das incertezas da Nato.
 Esquecidas as lições da última guerra, os partidos nacionalistas regressam e recuperam a mitologia da década de trinta do século passado. A direita está cada vez mais à direita e, onde mantém um módico de decência, como na Alemanha, ressurgem partidos fascistas.
 O Reino Unido, que julgava isolar a Europa, encerrando o Canal da Mancha, arrisca um suicídio político e acelera a desintegração europeia. O Brexit é um desastre para o RU e uma tragédia para a UE. A desagregação da UE contaminará os países cujas rivalidades internas e anseios independentistas são assaz fortes. A Espanha, França, Itália, Bélgica e Ucrânia correm riscos e a Rússia czarista sonhará com o velho império.
 A Turquia, país com o maior arsenal nuclear da Nato e o maior exército, fora dos EUA, caminha para a re-islamização completa, tornando-se um país de terror para intelectuais, juízes, jornalistas e todos os sectores cultos, laicos e democráticos.
 Ontem, o Ministério da Defesa suspendeu a interdição do véu islâmico nas F. Armadas, autorizando o uso às mulheres de terra, mar e ar que o desejarem. É mais um ataque à laicidade. A seguir virá a imposição e, finalmente, a exclusão das mulheres das Forças Armadas. Erdogan poderá então pensar na expansão territorial, a sonhar com o califado.
 A Europa laica, filha do Iluminismo e da Revolução Francesa, caminhará para o ocaso.
 Ponte Europa / Sorumbático

Etiquetas:

1 Comments:

Blogger opjj said...

Epá! Viva Cuba, vivá Venezuela!
è vontade de ser do contra.
Sendo a Europa tão má não sei pq razão tantos se querem escapulir desses países enfrentando a morte!
Já agora com tanta previsão diga ao pagode quando acaba o mundo!
Razoabilidade precisa-se.

23 de fevereiro de 2017 às 10:20  

Publicar um comentário

<< Home