13.5.19

SEM IDENTIFICAÇÃO DE CHAMADA

Por Joaquim Letria
Alguns “call centers” e certos serviços comerciais deixam-nos doidos e impacientes, ainda que eu tenha muito respeito por quem me fala para vender, oferecer, regatear ou discutir coisas e loisas das marcas que usamos.
Este meu respeito é motivado pelo facto de muitas e muitos dos meus antigos alunos em Universidades onde dei aulas ganharem a vida  e a possibilidade dum curso superior trabalhando nesses call centers,  ou sendo caixas de supermercados. 
Por princípio eu não atendo chamadas sem identificação. Se repararem nos anúncios classificados, já nem as trabalhadoras do sexo atendem chamadas dessas. Todos queremos, e bem, saber quem vem lá ou ficar a saber quem era.
Pois por não atender chamadas dessas, durante mês e meio recebi no meu iphone 17 tentativas de anónimos por dia. Uma praga! E se tentava atender, ninguém respondia. Fui a uma loja da marca da minha operadora, à assistência ao cliente, a um especialista de computadores e telemóveis, a uma loja de paquistaneses no corredor duma estação de metro, e nada! Estive quase a deitar fora o meu iphone, a  comprar um andróide e a mudar de operadora.
Andava eu nas minhas lamúrias a propósito, e encontro um colega que me diz: ”Vamos falar com este meu amigo que trabalha com o Xamix.  A verdade é que o Xamix sabe tudo, por muito que devesse não saber…
Foi remédio santo: a origem das impertinentes chamadas era da minha própria operadora que queria vender-me um produto novo e não dava conta de que o seu computador na sua programação originava este incómodo insuportável a um seu próprio cliente.
Como sou prático e odeio discussões, expliquei-lhes e mudei de operadora só para castigar os irresponsáveis funcionários e directores daquela que eu usava há quase dez anos. E lembrei-me que ao fim de 15 anos também mudara de outra que me mentira e tentara aldrabar-me com uma história mal contada de fidelização. Agora vamos ver… como não há mais, se esta não se portar bem, subscrevo outra… no estrangeiro.
Publicado no Pasquim da Vila   

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger Bmonteiro said...

Semelhante ao que fiz com a electricidade. Perante o génio da frase, «os portugueses são invejosos» perante os seus salários, mudei para empresa espanhola.
Com a EDP de Mr Mexia, finito.

15 de maio de 2019 às 21:16  
Blogger Dulce Oliveira said...

Os jovens (quase todos licenciados) que falam consigo de call centers, não tem a sorte de ter a chamada "calçadeira" que dá acesso a um emprego digno, são os ANÓNIMOS que lutam pela vida e não encontram outro trabalho.
Muitos talentos se perdem por ali, pode crer por via de cursos que tiraram em que O SABER era fundamental.
Vai-se a ver e o saber e a cultura servem para trabalhos mal remunerados e...mal compreendidos....

19 de maio de 2019 às 18:09  

Publicar um comentário

<< Home