21.8.20

SEM BRILHO NEM GLÓRIA

Por Joaquim Letria

A crise anunciada e por todos esperada desaba já sobre nós, enterrando-nos com o presente e o futuro num passado recente no qual nos soltaram sem saúde, sem esperança e muitos de nós aterrados, ou perdidos no desemprego, na falta de dinheiro para viver e comer, angustiados com o medo pela perda de vidas de familiares e de amigos e receando por nós próprios. Mas, como geralmente sucede connosco nestes muito maus momentos, a gente vai vencer as dificuldades, por muito que isso nos custe. Mas venceremos!

O desemprego aumenta exponencialmente, ficamos sem dinheiro nem meios para não perdermos o tecto, o trabalho, os estudos e podermos defender aqueles que de nós dependem e a quem temos a obrigação de ajudar.

Ao lado dos sacrifícios que nos exigem e a acompanhar todo o nosso esforço não vemos um único projecto, uma ideia, uma sociedade a ser criada que justifiquem as dificuldades que atravessamos, as quais procuramos vencer e ultrapassar com esperança e confiança, sem as considerarmos, sequer, como um terrível esforço que nos é imposto.

Vamos passar por tudo isto com vontade e coragem mas sem brilho nem glória que pudessem conduzir-nos a um futuro esperançoso e que ajudasse aqueles que nos guiam sem que fiquem convertidos no que já são -- em bandos atordoados de tristes burocratas sem a menor grandeza.

Hoje, ninguém, de todos aqueles que se nos apresentam como líderes na Europa, sabe responder às dúvidas que assaltam os europeus. Não chegam mesmo a simular ter conhecimento daquilo que é importante e urgente para nos mobilizar para uma vitória numa das mais difíceis etapas das nossas vidas, como é esta que atravessamos.

Aqueles que não acreditam naquilo que aqui digo que façam uma experiência: Perguntem aos políticos e burocratas “Que sociedade vocês querem, afinal de contas, construir?”  Fiquemos então todos juntos e à espera duma resposta deles com um mínimo de sentido.

Duvido que a resposta seja pronta e nós possamos ficar esclarecidos. E se nos disserem qualquer coisa, reparem se não é aquilo que há décadas nos repetem à exaustão. Enfim, a felicidade deles…

Publicado no Minho Digital

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger Dulce Oliveira said...

Não compreendo como, depois de tempos de confinamento, calamidade e emergência, avança a silly season e o país fecha para férias como se estivéssemos no melhor dos mundos

22 de agosto de 2020 às 08:30  
Blogger José Batista said...

Sim, os nossos políticos (de Portugal e da Europa)são de uma confrangedora vulgaridade. O jogo de cintura de António Costa não ilude o essencial. E mesmo a senhora Merkel, que talvez tivesse dado uma boa professora de química, não passa de uma agente da política sem grandeza de visão e de pensamento, que só sobressai em comparação com a galeria de horrores das restantes lideranças burocráticas europeias.

22 de agosto de 2020 às 21:59  

Publicar um comentário

<< Home