31.5.07

Foi você que falou em Sociedade da Informação?

As duas imagens que em baixo se vêem são da mesma maquineta - está no Edifício do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (o Nº 1 da Avenida de Roma, em Lisboa), e o seu interface (um écrã táctil) dá para a rua.
A imagem da esquerda mostra-a quando estava ao serviço (?) da Imprensa Nacional Casa da Moeda; a da direita mostra-a como está há uns 8 ou 9 meses, ao serviço (?) do Infocid.

Pois bem. A primeira pessoa que, até ao próximo dia 31 de Dezembro, me mostrar esta maquineta a funcionar durante 1 minuto (e desloco-me para ir confirmar, pois moro perto) ganha, de imediato, metade dos livros que ainda não tenham sido entregues nos actuais passatempos (neste momento há 68).

Como brinde neste concurso «Como é gasto o nosso dinheiro», ofereço ainda um molhinho de cartões PMB e NetPost que, além de ainda terem saldo, são óptimos para usar como calços para mesas mesmo que não se consigam usar em lado nenhum (como sucede comigo, porventura por ser azarento).

Talvez tenha funcionado
No dia da inauguração;
Depois, deve ter-se cansado
E, com fastio, pensado:
- Trabalhar?! Isso é que não!

Actualização (2 Jan 09): O prémio, entretanto, passou para €50 (em breve subirá para €100), e é válido para qualquer destes aparelhos, em qualquer ponto do país... desde que funcione devidamente.

Etiquetas:

13 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Dá para perceber que só mudaram a etiqueta a este monumento à incompetência, candidato ao prémio "Como é gasto o nosso dinheiro".

31 de maio de 2007 às 19:43  
Anonymous Anónimo said...

Meu caro,

Porquê oferecer só metade dos livros? Acha que corre algum risco se os oferecer todos!

E porquê limitar a oferta até ao fim do ano de 2007?

Pode bem prolongá-la até ao fim da legislatura (desta e das seguintes, pois a maquineta está assim, morta, há anos e anos, atravessando, impávida e inerte, governos de todas as cores e tendências!)

Ed

31 de maio de 2007 às 19:52  
Anonymous Anónimo said...

Proponho que nesse dia se faça um vídeo, especial e comemorativo, a colocar no Youtube, mostrando a coisa a funcionar e a correspondente cerimónia de entrega do prémio.

31 de maio de 2007 às 20:25  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Sim, claro.

Nessa altura já deve haver YouTube em 3D.

31 de maio de 2007 às 20:27  
Anonymous Anónimo said...

Apetece dizer:

«Vemos à esquerda como era a incompetência num governo de direita, e à direita como é num governo de esquerda».

Mas a realidade é bem pior, porque a gerinconça parece que está parada desde o tempo da Monarquia e nem no dia da inauguração deve ter funcionado.

31 de maio de 2007 às 21:53  
Blogger BlogoLogoLogo said...

Extraído hoje do site do Plano Tecnológico :
"Até ao dia 13 de Novembro tinham sido efectuados 40.436 adesões ao ViaCTT."
Que aconteceu depois dessa data ? Gripou ?

31 de maio de 2007 às 23:50  
Blogger Menino Mau said...

existe outra máquina dessas na 5/10 no edificio do IGAHPE ao pé da rtp.tambem não funciona..

1 de junho de 2007 às 10:23  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Sim, um pouco por todo o país tenho visto maquinetas destas, todas "mortas".

Só divulguei esta (da Av. de Roma) porque lá passo todos os dias e poderei confirmar se algum dia a meterem a funcionar.

1 de junho de 2007 às 11:57  
Anonymous Anónimo said...

Belos versos, os do fim!

1 de junho de 2007 às 21:52  
Anonymous Anónimo said...

Não sejam tão cépticos...

Se foi feito para funcionar, funciona mesmo...
Impossible is nothing!!!


Ou será que até as máquinas já estão na Prateleira dos Supranumerários?

Cuidem-se
Rui Palma

2 de junho de 2007 às 01:05  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

O problema é saber se, de facto, foram feitas para funcionar!

São tantas as maquinetas deste género (que não funcionam ou nunca funcionaram), que ficamos com a ideia que foram feitas apenas para dar trabalho a uns bandos de garotos:

PMB, quiosques internet NetPost nos CTT, quiosques Infocid, máquinas de venda de selos com cartão...

2 de junho de 2007 às 07:41  
Anonymous Anónimo said...

Eh!Eh!Eh!
Estou a ver o mesmo filme no sítio onde eu trabalho.
Também lá colocaram uma maquineta dessas...eu até duvido que grande parte dos funcionários saiba fazer uso dela. Para muitos dos utentes como será!?
Isto faz-me lembrar a era da informatização dos Serviços. Primeiro compraram-se computadores para decorarem as secretárias de alguns privilegiados, mais tarde para os trabalhadores, mas a formação só veio muito depois. Quando já se percebia da coisa, já o hardware e o software estavam obsoletos...e o que se tinha aprendido era esquecido (frustrante). E o que se tinha gasto, gastou-se...
Qualquer um sabe que uma casa se começa a construir pelos alicerces, ou será que já é pelo telhado?
Perdoem-me a ignorância.

3 de junho de 2007 às 02:45  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Sim, é isso mesmo.

Conheço vários casos desses, mas o mais escandaloso é o de uma pessoa amiga que tem funções importantes num ministério:

Tem na secretária um PC há 6 anos (pelo que, nas estatísticas, consta como "informatizada") e nem sabe a password para o ligar!
Sabe que tem endereço de e-mail mas nunca viu o seu correio.

Entretanto, já foi promivida, e em breve se reformará - decerto com óptima classificação.

--
Noutro caso, uma professora (que, entretanto, se reformou) disse-me que frequentou um curso de Excel (50 horas!!) e ficou sem saber - sequer - abrir uma página (quanto mais fazê-la).
--
Em ambos os casos, a idade conta muito.

Ao forçarem essas pessoas a trabalhar até mais tarde, atrasa-se a entrada de gente nova. Em certos aspectos em que a experiência seja o mais importante, pode até nem ser mau. Mas, nestas questões de informática, é desastroso.

3 de junho de 2007 às 08:53  

Enviar um comentário

<< Home