9.2.16

Numa rua de Lagos

7.2.16

Luz - Chineses em Tuk-Tuk, guiado por um inglês, em Piccadilly, Londres

Clicar na imagem para a ampliar

Os Tuk Tuks derivam dos Rickshaws, triciclos originalmente movidos a pedal e pela energia humana. Os “auto rickshaws” são movidos a motor eléctrico ou de combustão, espalharam-se pelo mundo inteiro e popularizaram-se com o nome de Tuk Tuk, ao que parece em resultado do ruído de motor a dois tempos. Hoje, Tuk Tuk já quase apagou a designação de rickshaw, mesmo para os que funcionam a pedal. Antigamente, eram sinal de domínio mais ou menos colonialista. Os passeantes eram sempre (quase…) ocidentais, turistas gordos, senhoras bonitas, viajantes anafados a fumar charuto… Os condutores eram sempre chineses, indianos ou asiáticos de outras estirpes, magros e com ar miserável. Tudo mudou. Tuk Tuks há agora em todo o sítio, conduzidos por rapazes e raparigas jovens, com ar atlético, eventualmente com estudos, outros menos desportivos e com tatuagens. Neste exemplo de Londres, um casal chinês deixa-se conduzir por europeu jovem trabalhador a pedal. (2015)

Etiquetas:

4.2.16

Por C. Barroco Esperança
Se perseguirmos os que divergem de nós abdicamos do respeito que exigimos. Temos o dever de proteger os islamitas da xenofobia que grassa na Europa onde a direita política começa a ter como única alternativa a extrema-direita, caucasiana, cristã e nacionalista.

A defesa dos crentes, de quaisquer crentes, não exige cumplicidade com as crenças que os intoxicam. Não faz parte da cultura humanista, que nos moldou, dar a face incólume à bofetada igual à que nos desfeiteou a outra.

Quando trocamos princípios por benefícios acabamos por perder uns e outros. Por mais que me esforce para entender uma religião que não se limita a impor normas aos crentes e quer impô-las aos outros, não o consigo.

A tradição, frequentemente invocada, remete-nos para usos erradicados pela civilização. Continuo a respeitar os crentes mas a ser intransigente para com todos os totalitarismos, seja qual for a sua natureza.

A libertação da mulher, o fim do esclavagismo, a abolição da tortura, a democracia, em suma, o respeito pela Declaração Universal dos Direitos Humanos não se pode submeter à vontade de Deus interpretada pelos funcionários de quaisquer religiões.

As teocracias que florescem no Islão não permitem a liberdade de culto de outra religião e exigem que as mesquitas sejam erigidas na Europa pluriétnica. Impõem o respeito que negam aos outros. Não há respeito mútuo sem reciprocidade.

A mais boçal caricatura de uma sociedade civilizada é o Estado Islâmico e a perversão mais ousada do proselitismo encontra eco na organização Daesh, a nova Al-qaeda cuja derrota ameaça espalhá-la em células terroristas à escala planetária.

Quando a religião se transforma num caso de polícia, na ameaça global, no proselitismo boçal, o combate na defesa da civilização é uma exigência dos que recusam submeter-se ao despotismo de um monoteísmo implacável e criminoso.

3.2.16

Por António Barreto
Bill Gates, o génio, a fortuna e o filantropo: parece que nada se fez de melhor. Inovação, investigação e dinheiro: eis receitas para o êxito contemporâneo! E a fortuna é tanta que até se pode gastar algum, por acaso muito, com nobres causas, a começar pela erradicação da malária. Mas também se pode suspeitar de tanto dinheiro e tanta reputação. O que é de mais é… de mais.

O senhor Gates envolveu-se com a informação e a imagem. Adquiriu as maiores bases de dados do mundo. A Corbis existe, nas suas mãos, desde finais dos anos 1980. Destina-se a comercializar imagens fotográficas para todos os fins: jornais, televisão, Internet, publicidade, cultura, educação, edição, decoração, pesquisa histórica, desporto, artes, música e divertimento. 

A Corbis tem sede em Seattle, nos Estados Unidos. É a maior vendedora de direitos de imagem do mundo. É provável que cada ser humano veja, todos os dias, meia dúzia das suas imagens. O milionário acaba de a vender a uma empresa chinesa, “Unity glory international”, que pertence ao VCG, “Visual China Group”, que tem um acordo com a “Getty images”, outro colosso da fotografia. Corbis e Getty juntas controlam os direitos de mais de 300 milhões de imagens. Arquivos importantes como os da agência francesa Sygma ou da alemã Bettmann (riquíssima em imagens dos séculos XIX e XX) foram já adquiridos. Ambas as firmas têm experiência de trabalhar com os chineses: há anos que detêm o exclusivo de distribuição na China e sempre respeitaram as regras chinesas sobre a censura de imagens.

Há receio diante de tanto poder. Nos jornais, queixam-se os defensores dos “ícones culturais” de verem partir para o controlo da China comunista os direitos de exibição da língua de Einstein e das pernas de Marilyn Monroe. Ou do Tankman, o chinês que, armado de um saco de supermercado, se opôs a uma coluna de blindados em Tiananmen.

A combinação entre o pior do capitalismo (poder excessivo, domínio do mercado, primado absoluto do lucro…) e o pior do comunismo (controlo político, censura policial, monopólio…) é fatal! É legítimo desconfiar desta aliança, sobretudo em matérias tão sensíveis como a liberdade de informação e a preservação do património. Este casamento de conveniência é um sinal de alarme para a cultura e o direito à informação.

O anúncio oficial da Corbis diz claramente: “nothing changes immediately for you today”. Não se pode ser mais claro. “Nada mudará imediatamente para si hoje”. Faz lembrar um senhor que, há cerca de oitenta anos, cada vez que queria tomar conta de um país, anunciava solenemente: não temos reivindicações territoriais! Os comunicados oficiais da Corbis e da Getty garantem que, “durante a transição”, tudo ficará como antes e “nada de imediato mudará”! Não há melhor maneira de dizer que muito ou tudo vai mudar. Um dia…

Um dos problemas não esclarecidos é o do destino do património vendido. Onde vai ficar sediado? À guarda de quem? Outro é o da definição exacta do património. Só direitos? Ou também os suportes físicos das imagens? Se for só a primeira hipótese, é mau. Se for a segunda, é péssimo. Mas também se pode dar o caso de a primeira ser o passo necessário para chegar à segunda… 

DN, 31 de Janeiro de 2016

Etiquetas:

1.2.16

Livro de reclamações - O orçamento Photoshop

Por António Barreto
Toda a gente sabe o que é o Photoshop: um formidável programa de trabalho com imagens. Com o Photoshop pode fazer-se tudo, passar da cor ao preto e branco, colocar pessoas onde nunca estiveram, incluir objectos em ambientes inesperados, dar vida aos mortos, inventar sítios, levar pessoas a fazer de conta… Pode fazer-se o que se quer. O mar ou a montanha de fundo, uma rua de Nova Iorque ou o planalto da Capadócia, um barco ou um carro, uma mulher sedutora ou um homem atraente, tudo ao alcance de um pouco de manipulação. Até se pode transformar um chinês num branco ou um sueco num preto. Podem-se aumentar os braços e as pernas, diminuir o nariz e as orelhas, arredondar as nádegas e desfazer rugas…

É com um Photoshop que está a ser feito o orçamento de Estado para 2016. Põe um bocadinho de défice a mais, a ver se pega. Tira umas poeiras de dívida, talvez se arranje. Reduz a sobretaxa, aumenta o desconto, diminui o IVA, anda lá com um escalão de IRS. Vamos ver o que dá. Mau, diz o Bloco. Péssimo, grunhe o PCP. Não chega, rosna a UE. Volta-se atrás. Põe lá uns pozinhos no PIB, dá um cheirinho na inflação, empurra um ponto na exportação, talvez sirva. A UE diz que não. O Bloco garante que está a passar as marcas. O PCP declara que isto não estava no acordo. A impoluta Unidade Técnica de Apoio Orçamental alerta: este orçamento não pode ser cumprido. O Conselho das Finanças Públicas torce o nariz e afirma que o orçamento não tem em consideração os riscos relevantes da actual situação. A empresa de rating DBRS, a única que permite que Portugal vá buscar dinheiro ao BCE, adverte que talvez Portugal desça de escalão. Vamos lá outra vez. Mexe um pouco no PIB, tira o IVA, deixa o IRS, desce a taxa, sobe a sobretaxa, põe tabaco, tira combustíveis, aperta a pensão, esfrega o salário mínimo, dá cá um pouco de inflação, toma lá TSU… Bela maneira de fazer um orçamento.

DN, 31 de Janeiro de 2016

Etiquetas:

31.1.16

Luz - Cidadão a trabalhar com o seu telemóvel, na avenida Almirante Reis

Clicar na imagem para a ampliar
Naquela posição pouco confortável, o senhor está a responder a anúncios dos jornais. Não tive coragem para me aproximar ou perguntar qual era a área de negócio ou actividade. Emprego? Alugar casa? Compra e venda? Serviços pessoais? (2015)

Etiquetas:

30.1.16

Sem Emenda - O que deve fazer o Presidente

Por António Barreto
Gostaria de escrever sobre o próximo Presidente. No entanto, poderia alguém concluir que o “Retrato Robot” se parecia com um dos candidatos. Ora, a lei portuguesa proíbe que, neste dia, se escreva de modo a que o verbo possa ser interpretado como apoio a um candidato. Por outras palavras, é proibido escrever ou falar sobre o único assunto de que toda a gente fala! É uma lei estúpida, mas faz parte do nosso Calvário democrático: até as leis estúpidas devem ser obedecidas. Eis por que me parece sem risco dizer o que essa pessoa (evito cuidadosamente o sexo…) deverá fazer depois de tomar posse.

É verdade que o cargo se extingue gradualmente: todos os presidentes ajudaram nesse sentido. Talvez, dentro de uns anos, deixe de haver um presidente eleito directamente pelo povo. Até esse dia, no entanto, é possível desempenhar a função com alguma utilidade.

Respeite escrupulosamente a Constituição. A melhor maneira de o fazer consiste em enviar para o Tribunal Constitucional uma grande quantidade de diplomas do Parlamento e do Governo. A constitucionalidade das leis não é uma questão de opinião, mas sim de direito. Se o Tribunal diz que sim, é sim. Se diz que não, é não. Se o respeito pela Constituição for simplesmente a sua interpretação, já sabe: terá metade do país à perna!

Ajude o seu povo a reflectir sobre a revisão da Constituição. Se jurou respeitá-la, não jurou deixar de pensar. Pode perfeitamente solicitar pareceres e trabalhos, organizar seminários, grupos de estudo, debates e reflexões sobre o futuro da Constituição. Devemos deixá-la como está? Rever? Renovar profundamente? Tentar fazer uma nova? Ninguém está em Portugal proibido de o fazer. O Presidente também não. Toda a gente pode ajudar a reflectir. O Presidente mais do que qualquer um. É um favor que o Presidente fará ao país e aos partidos. Mas é também o seu dever. O Presidente da República não é um cargo paralítico, muito menos uma múmia.

Use o mais abundantemente possível os meios legais de que dispõe para falar com os órgãos de soberania: o Governo, o Parlamento e os Tribunais. Dirija-se com frequência ao Parlamento, escrevendo-lhe mensagens. Fale com o Primeiro-ministro e os ministros. Mas faça-o sempre pensando que, salvo em casos muito especiais, deve ter o povo como testemunha. Ou diga ao povo o que diz ao governo. Não deixe que os encontros das quintas-feiras, com espessa alcatifa e reposteiro corrido, sejam um segredo de Estado com o qual todos têm a perder: o Presidente, o Primeiro-ministro e os Portugueses.

Como Comandante Supremo das Forças Armadas, pode e deve promover uma reflexão séria, seguida de debate animado, sobre as Forças Armadas portuguesas, suas funções futuras, seu desenvolvimento e seus deveres. No que deve incluir uma nova reflexão sobre o serviço cívico ou militar. As Forças Armadas portuguesas estão ameaçadas de ter de viver um período terrível de falta de meios, de orientação, de vocação e de espírito. O próximo Presidente da República não pode esquecer. Nem fingir que não percebe.

A Justiça deveria ser a sua maior preocupação. É o que há de mais frágil na colectividade. E o que mais ameaça os direitos dos cidadãos. Com uma boa justiça, teríamos mais liberdade, melhor administração, menos corrupção, economia mais saudável, instituições mais respeitáveis e política mais decente. Todos os Presidentes anteriores falaram muito de Justiça, nenhum fez nada que se visse. O Presidente tem poderes e meios directos, assim como indirectos, políticos e de influência, para melhorar a Justiça portuguesa. Só não o faz se não quiser ou se tiver medo.

Não dê posse a um governo minoritário. Exija um programa e um governo aprovados no Parlamento. A este propósito, a Constituição é cega, surda e muda: não permite, não prevê e não proíbe. Bem sei que não afirmou isso durante a campanha (ninguém o disse, aliás), mas é perfeitamente aceitável que o Presidente exija uma maioria. Nem que tenha de convocar novas eleições.

Qualquer político que chega ao topo da carreira, tem um sonho: ser internacional. Arranjar que fazer, ser conhecido e ter importância na Europa e no mundo. Esse é o capítulo das vaidades. Acontece que Portugal tem sido, nas últimas décadas, uma figura de corpo presente. Ou nem sequer. Ora, seria interessante que o país tivesse um qualquer papel internacional a fim de melhor exprimir os seus interesses. Sozinho, não conseguirá nada. Com outros, talvez. Uma iniciativa europeia, bem pensada, seria uma maneira de evitar que tivéssemos depois de sofrer as iniciativas dos outros.

Finalmente, não se deixe dominar pelos seus receios. Não permita que os seus serviços, conselheiros, consultores e amigos lhe digam que a sua protecção é a principal preocupação, a prioridade maior e a sua primeira obsessão. Para proteger os cidadãos, o Presidente da República tem de correr riscos. Não cuide de si, cuide do seu povo!

DN, 24 de Janeiro de 2016


Etiquetas:

28.1.16

«Raiva e Orgulho» e «A Força da Razão»*

Por C. Barroco Esperança
Dezassete mil milhões de euros chegam para curvar um governante europeu perante um prócere do fascismo islâmico, mas são insuficientes para humilhar a civilização que nos distingue e calar a raiva perante a submissão aos devotos do beduíno amoral, designado  profeta. A força da razão há de impor-se, com orgulho, na Europa que tolera a burka a quem vem e não exige o respeito pela minissaia nos países de onde vêm.
Hossain Rohani, presidente iraniano, chegou a Itália, com o peso dos petrodólares, e fez tapar a Vénus Capilolina, imponente cópia de uma escultura grega tardia derivada de Praxíteles. A sua perfeição e a pudicícia com que, à saída do banho, as próprias mãos a cobrem, é a apoteose da beleza eternizada na alvura do mármore, a exaltação do corpo feminino no talento exuberante do escultor grego de quem foi copiada.

A estátua que extasiou Bento XIV, que a comprou, e Napoleão, que a levou para Paris, fascina hoje quem a visita nos Museus Capitolinos, em Roma. Não pode o prócere de uma civilização decadente humilhar-nos com o pudor a que a sua fé o obriga.
Não foi uma estátua que foi tapada, foi injuriado o corpo feminino, amaldiçoada a arte e humilhada a civilização, pela incultura e preconceito.
A caixa que escondeu a Vénus Capitolina é a metáfora da civilização que se submete à barbárie, da cultura greco-romana que se acostuma à cópia grosseira dos preconceitos judaico-cristãos, da burca que ameaça tornar-se obrigatória, a tosca tentativa da sujeição aos cinco pilares de uma religião que espalha o terror.
Esses toscos criaram um Deus pior do que eles e, em seu nome, abominam a música, a dança, a pintura, a arte, em suma, a civilização. Se deixarmos, começam por mutilar as estátuas antes de nos trucidarem. Às masculinas amputam os falos e às femininas mutilam a genitália. Até a pilinha do Menino Jesus fica em perigo, decepada às mãos de um troglodita.
Em nome da tolerância não se pode ceder na liberdade, sob pena de perdermos ambas e voltarmos ao opróbrio da submissão ao Deus que outros criaram e o seu clero explica.
* Livros de Oriana Fallaci, escritora e célebre jornalista italiana, contra o Islão.
.

Etiquetas:

27.1.16

SAMPAIO DA NÓVOA, FUTURO CONSELHEIRO DE ESTADO

Por A. M. Galopim de Carvalho
"O vencido mais vencedor da noite”, como escreveu Nicolau Santos, no EXPRESSO de 25.01.2016, Sampaio da Nóvoa, revelou ao longo da campanha, iniciada como cidadão desconhecido dos portugueses, a sua superior formação, social. política, ética e cultural, que faz dele o Conselheiro de Estado a ser convidado pelo agora Presidente eleito. Ao fazê-lo, Marcelo Rebelo de Sousa faria uma óptima escolha além de que confirmaria, a partir de agora, a sua total independência face ao espectro político nacional e a sua afirmação de que pretende, de facto, ser o Presidente de todos os portugueses. É uma opinião muito minha que deixo à consideração do leitor.

Etiquetas:

24.1.16

Luz - Comerciante chinês, a almoçar no seu negócio, no Martim Moniz, Lisboa

Clicar na imagem para a ampliar

Foram necessários tão poucos anos para que os comerciantes chineses se instalassem por toda Lisboa, da Lapa ao Martim Moniz, de Belém a Odivelas! E quem diz Lisboa, diz o país inteiro, de Vila Real a Portimão, de Aveiras a Sabrosa. Atrás deles, já chegaram também do Paquistão, da Índia, do Bangladesh e de vários países árabes. Ao contrário de outros povos (Ucranianos, Brasileiros, Africanos, por exemplo), estes Asiáticos preferem o comércio, é aqui que eles são especialistas. Em vinte anos, o comércio de Lisboa e do país mudou. Assim como as ruas, os cheiros, as roupas e as cores. Sem falar, evidentemente, nos preços de tudo e de nada! Por causa dos chineses e dos supermercados, fecharam milhares de comércios portugueses. E abriram milhares dos Asiáticos. Que trabalham doze a dezasseis horas por dia, com toda a família dentro da loja, onde estão abertos aos fins-de-semana e feriados! Ao que parece e consta, uma família de chineses que se queira instalar obtém um crédito das associações de chineses (pelo menos duas importantes, uma em Lisboa, outra no Porto), contra vários compromissos, desde começar a pagar ao fim de um prazo estipulado, até empregar chineses e sobretudo só comprar mercadoria chinesa aos grandes “grossistas” e distribuidores organizados pelo Estados provinciais. Lá que o sistema é eficaz… (2015)

Etiquetas: