22.11.09

A grande esperança

Por António Barreto

TODOS, DESDE HÁ PELO MENOS três séculos, esperaram sempre muito, quase tudo, da educação. Dos iluministas aos positivistas, dos cristãos aos ateus, dos fascistas aos democratas, dos conservadores aos marxistas, todos consideraram, em seu tempo e para sempre, que a escola e a educação (ou instrução) trariam as virtudes necessárias ao cumprimento das suas ambições e dos seus propósitos para as sociedades.
Desejou-se tudo da escola. Julgou-se que a razão nasceria naqueles bancos. Pensou-se que o espírito cívico seria aprendido nas salas de aula. Não se duvidou de que o professor iria formar novos homens. Teve-se a certeza que uma escola ajudaria os cidadãos a respeitar a lei e a ordem. Acreditou-se em que uma boa educação elevaria o nível cultural das populações e seria fonte de desenvolvimento. Esperou-se firmemente que a escola seria obreira da igualdade social. Todos pensaram que a escola seria o mais importante factor de mobilidade social. Houve quem julgasse, com benevolência, que a escola acabaria por subverter a ordem estabelecida. Como houve quem tivesse a certeza de que a escola ajudaria a temer a Deus e a respeitar as hierarquias. (...)

Texto integral [aqui]

Etiquetas:

1 Comments:

Blogger Manuel Brás said...

A autoridade esburacada
da actividade docente
é uma realidade vincada
por uma moral indecente.

A autoridade burocrática
pesadamente sufocativa,
é de essência autocrática
e totalmente defectiva.

O proselitismo ideológico
que varre a educação,
é de cariz escatológico
atrofiando a instrução.

22 de novembro de 2009 às 21:09  

Publicar um comentário

<< Home