19.9.13

Entrevista ao 'Público' em 1 Set 13

NOTA (CMR): Dado não ter sido possível afixar aqui a entrevista completa, a mesma será enviada, em formato PDF (tamanho 3,2 Mega), a quem o solicitar. Bastará mandar um e-mail para medina.ribeiro@gmail.com indicando, em assunto, entrevista ao 'Público'.

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger jose said...

Só o título me basta.
Mas então "dando à manivela" não teríamos os problemas resolvidos?
A "minha" ideia é que inundando o país de notas fresquinhas,se possível distribuídas por avião,teríamos dinheiro para tudo.Olhe,p.ex. as importações de petróleo,de medicamentos,de material hospitalar e de matérias primas,estas importações ficavam asseguradas pelo fabrico de grande quantidade de notas...quantas mais notas mais petróleo e medicamentos compraríamos...e ao preço da uva mijona,pois não é verdade que ficava tudo mais barato?Haveria muito dinheiro para salários e pensões!E empregos seriam a-dar-com-um-pau...Bem,eu já passei por outros dois períodos(78 e 83)de grandes apertos mas julgo que foi por não "darem à manivela" noite e dia,sem parar,foi só por isso que nessas alturas houve tanto desespero...Agora é fácil---não parar de "dar à manivela" até ser tudo baratinho...
Que tal?

19 de setembro de 2013 às 19:14  
Blogger Rui Moringa said...

Parece-me que é para aí que vamos. Para a catastrofe. Haverá sempre alguém a saír dela. Não saberemos quem, como não sabemos se amanhã estaremos por aqui. Acreditamos que estaremos mas isso é apenas FÉ e um pouco de probabilidade.
Estamos mesmo subjugados pela trampa do Euro.

20 de setembro de 2013 às 23:22  

Enviar um comentário

<< Home