17.8.13

Apontamentos de Lisboa

O antes e o depois da esterqueira da Rua Conde de Sabugosa
Num rasgo de génio, os responsáveis pela higiene pública resolveram o problema do lixo colocado junto ao vidrão... retirando-o! Mas os porquinhos do costume souberam responder taco-a-taco, como mostram as fotos de baixo.

8 Comments:

Blogger Bmonteiro said...

Houvesse "serviço público" na RTP do regime.
Acaba surgir a ideia.
Propor a um diário da Lisboa, uma foto destas todos os dias na 1ª página.
Recordo mais de um ano com o JF, um pequeno quadro negro 1ª página: continuam a bom ritmo as obras no túnel da Gardunha.

17 de agosto de 2013 às 18:07  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

O «Correio da Manhã» tem uma secção dessas, com fotos. Antes de as publicar, confronta os responsáveis pela "coisa".

Pois bem; uma das que eu tenho denunciado (um placard de alumínio situado num passeio à altura dos olhos!) já lá foi mostrado 2 vezes!
Sempre a autarquia diz que vai tratar disso.
Claro que não o faz.
Do jornal ligaram-me recentemente, a perguntar se a situação se mantém, para a denunciar pela 3ª vez!

17 de agosto de 2013 às 19:06  
Blogger Bmonteiro said...

«A polish visitor who arrived in 1484 was deeply unimpressed with what he foud.
Portuguese men of every class, he reported, were coarse, poor, lacking in good manners and ignorant, in spite of their pretense wisdom»
“The Last Crusade”
The epic voyages of Vasco da Gama
Nigel Cliff

17 de agosto de 2013 às 20:32  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Sim, os relatos-típicos de viajantes são unânimes:

«Lisboa é uma cidade linda, vista de longe. Quando se chega pelo rio, é deslumbrante. O pior é quando se desembarca, e se vê a realidade de perto: o lixo omnipresente, o cheiro pestilento, o caos, a insegurança das ruas à noite...»

17 de agosto de 2013 às 21:19  
Blogger Agostinho said...

A RTP poderia passar em horário nobre pequenos spots a abordar a temática. Receio porém que 90% dos caros espectadores mudassem de canal imediatamente por entenderem ser muito mais útil e importante ver uma qualquer novela.
Adivinho que os tais porquinhos do saquinho no chão se fossem confrontados responderiam simplesmente: então os homens do lixo não passam de madrugada? Ora essa, eu pago pelo serviço!
A melhor formação é a que passa por via uterina. Quando isso não acontece, a utilização dos media não dispensa a fiscalização e o sancionamento dos prevaricadores.A polícia municipal poderia dar uma contribuição para a resolução do problema? Acho que sim.

18 de agosto de 2013 às 00:38  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Agostinho,

A SIC teve um programa em horário nobre, intitulado «Nós por cá», dinamizado pela Conceição Lino.
Tinha muita audiência, abordava casos revoltantes e absurdos, e resolvia a maior parte deles.
Inclusivamente abordou 2 casos que eu sugeri. Um deles foi resolvido ainda durante a emissão do programa (!!!), mas o outro continua na mesma ao fim de 5 anos...
--
Sucede que essas denúncias incomodam muita gente (nomeadamente "de cima"), o que talvez explique porque é que esses programas acabam (mesmo quando são muito populares).

18 de agosto de 2013 às 09:40  
Blogger jose said...

Disse-me há anos um indivíduo de ideias pugressistas:--"Essas campanhas,educações cívicas,só demonstram que ainda há saudosistas do velho regime.Olha que já somos adultos!"
A maturidade aí está fotografada.Fora o que não se vê.
Eu só conheço três modos de resolver isto,já os enunciaram aqui, não são novidade:Educação cívica,censura social e repressão no caso de os anteriores falharem.

18 de agosto de 2013 às 17:09  
Blogger Agostinho said...

Carlos Medina Ribeiro,

Tive conhecimento desse programa da SIC. O formato do mesmo estava desenhado para ser um êxito de audiências. Acredito até que algum proveito haveria na sensibilização da população e até que a pressão mediática fizesse levantar o rabinho de muita gente para solucionar os problemas apresentados.
Pois que sejam reclamados programas temáticos, para sensibilização da população, em todas as estações de canal aberto.
Porém, isso, per si, não é a solução, não dispensa a responsabilidade e o papel disciplinador da autarquia que deve promover e defender o interesse
geral perante a incúria dos tais "porquinhos".

18 de agosto de 2013 às 23:23  

Publicar um comentário

<< Home