3.2.16

Por António Barreto
Bill Gates, o génio, a fortuna e o filantropo: parece que nada se fez de melhor. Inovação, investigação e dinheiro: eis receitas para o êxito contemporâneo! E a fortuna é tanta que até se pode gastar algum, por acaso muito, com nobres causas, a começar pela erradicação da malária. Mas também se pode suspeitar de tanto dinheiro e tanta reputação. O que é de mais é… de mais.

O senhor Gates envolveu-se com a informação e a imagem. Adquiriu as maiores bases de dados do mundo. A Corbis existe, nas suas mãos, desde finais dos anos 1980. Destina-se a comercializar imagens fotográficas para todos os fins: jornais, televisão, Internet, publicidade, cultura, educação, edição, decoração, pesquisa histórica, desporto, artes, música e divertimento. 

A Corbis tem sede em Seattle, nos Estados Unidos. É a maior vendedora de direitos de imagem do mundo. É provável que cada ser humano veja, todos os dias, meia dúzia das suas imagens. O milionário acaba de a vender a uma empresa chinesa, “Unity glory international”, que pertence ao VCG, “Visual China Group”, que tem um acordo com a “Getty images”, outro colosso da fotografia. Corbis e Getty juntas controlam os direitos de mais de 300 milhões de imagens. Arquivos importantes como os da agência francesa Sygma ou da alemã Bettmann (riquíssima em imagens dos séculos XIX e XX) foram já adquiridos. Ambas as firmas têm experiência de trabalhar com os chineses: há anos que detêm o exclusivo de distribuição na China e sempre respeitaram as regras chinesas sobre a censura de imagens.

Há receio diante de tanto poder. Nos jornais, queixam-se os defensores dos “ícones culturais” de verem partir para o controlo da China comunista os direitos de exibição da língua de Einstein e das pernas de Marilyn Monroe. Ou do Tankman, o chinês que, armado de um saco de supermercado, se opôs a uma coluna de blindados em Tiananmen.

A combinação entre o pior do capitalismo (poder excessivo, domínio do mercado, primado absoluto do lucro…) e o pior do comunismo (controlo político, censura policial, monopólio…) é fatal! É legítimo desconfiar desta aliança, sobretudo em matérias tão sensíveis como a liberdade de informação e a preservação do património. Este casamento de conveniência é um sinal de alarme para a cultura e o direito à informação.

O anúncio oficial da Corbis diz claramente: “nothing changes immediately for you today”. Não se pode ser mais claro. “Nada mudará imediatamente para si hoje”. Faz lembrar um senhor que, há cerca de oitenta anos, cada vez que queria tomar conta de um país, anunciava solenemente: não temos reivindicações territoriais! Os comunicados oficiais da Corbis e da Getty garantem que, “durante a transição”, tudo ficará como antes e “nada de imediato mudará”! Não há melhor maneira de dizer que muito ou tudo vai mudar. Um dia…

Um dos problemas não esclarecidos é o do destino do património vendido. Onde vai ficar sediado? À guarda de quem? Outro é o da definição exacta do património. Só direitos? Ou também os suportes físicos das imagens? Se for só a primeira hipótese, é mau. Se for a segunda, é péssimo. Mas também se pode dar o caso de a primeira ser o passo necessário para chegar à segunda… 

DN, 31 de Janeiro de 2016

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger José Batista said...

Concentração de poder (do poder) em poucas (pouquíssimas) mãos. Podia ser um título para o artigo.
Mau caminho ou perigo poderiam ser subtítulos.
Digo eu.

Vamos andando, andando... em direcção a algum desfiladeiro. Pelo nosso pé, indiferentemente.

"Quo vadis", mundo que criámos?

3 de fevereiro de 2016 às 19:12  
Blogger ilha da lua said...

Talvez, resvalando para o precipício...Digo eu.

6 de fevereiro de 2016 às 00:48  

Enviar um comentário

<< Home