6.5.05

Crónica com Fotografia - Relato breve

Crónica de Carlos Pinto Coelho

Um dia criei-te.

Logo, silenciosa, atravessaste sozinha as sombras da grande nave e foste postar-te ali. Imóvel. Na posição que tu própria escolheste. Para seres olhada. E interrogada.

Muitos e muitos dias aqui vim, depois. Tu eras a minha aparição consentida. Cariátide de braços longos. E dona de todos os presságios. E senhora das horas. E padroeira de todas as insónias. Por isso aqui vinha dizer-te do mundo lá fora.

Falei (lembras-te?) das áfricas da nossa impotência. E das europas da nossa solicitude. E dos brasis da nossa senilidade. E das ásias da nossa fugacidade. (Atentos, todos os côncavos sombrios da nave me ofereceram eco).
Ontem perguntei-te:

- Que agora?

Hoje venho e já não estás.

Recorto a tua imagem e levo-a para a página de um jornal.

(Clicar na imagem para a aumentar)

(Crónica de Carlos Pinto Coelho - «A CAPITAL» 06 Maio 2005)

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger isabel mendes ferreira said...

Boa Noite, então é assim já não sei de quem é o texto, se do CPC se MR, mas não interessa nada, interessa sim que a beleza voou e estendeu-se aqui. Obrg.pelo momento.

8 de maio de 2005 às 00:28  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Como se diz logo em cima, a azul, a Crónica é do Carlos Pinto Coelho.

Simplesmente, ele não tem o programa HELLO (de afixação de imagens); por isso, excepcionalmente, fui eu que tratei de publicar este texto (o que faz com que o meu nome apareça em baixo).

Um abraço
do
CMRibeiro

8 de maio de 2005 às 00:36  

Publicar um comentário

<< Home