23.1.06

Andam noutro mundo?!

RECENTEMENTE, depois de Mário Soares ter posto em causa a honestidade da SIC na cobertura da sua campanha, perguntaram a Jorge Coelho o que é que achava disso.
Ora, como a pergunta lhe foi feita precisamente na SIC (na «Quadratura do Círculo»), onde ele estava, viu-se colocado numa situação embaraçosa.

Então lembrou-se de dizer: «Não tenho acompanhado esse assunto...».

Todos se riram da resposta, especialmente porque, na mesma intervenção, ele desatou a atacar o que Cavaco dissera na véspera, mostrando que acompanhava melhor a campanha do adversário do que a do camarada (a cuja Comissão de Honra pertencia).




Agora, depois de Sócrates (com a cumplicidade das televisões (*) todas) ter interrompido a comunicação de Alegre ao país, vem Vitalino Canas dizer que «no PS não sabiam que Alegre estava a falar».

De facto, só pessoas que já perderam TOTALMENTE o contacto com o povo é que não percebem o "preço" de uma atitude dessas - pelo que mostra claramente do carácter de quem está por trás dela.

Anedotas destas mostram que, por aqueles lados, há gente que exibe, garbosamente, um misto de autismo e estupidez (ou, no mínimo, de amadorismo - como Alegre, simpaticamente, aventa) em estado muito avançado.

--

NOTA adicional - «Os Acha-dores»:

Vim depois a saber, pelo «DN», que, além das estações de TV, também as rádios fizeram o mesmo - com a honrosa excepção da Renascença.

Aproveitemos para tirar-o-chapéu à explicação dada pelo sr. da TSF, segundo o qual calaram Alegre para dar a palavra a Sócrates porque acharam que aquele já tinha dito o essencial.

Quanto a mim, com essa afirmação também fiquei a saber, dele, «o essencial»...

11 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Se eles estavam a olhar para o umbigo, como é que podiam estar a ver a TV?

O povo é que estava todo a ver TV, mas eles cada vez estão mais distantes dele (povo).

Nem sequer se aperceberam da barraca que deram, e muito menos da imagem que fizeram passar de si.

23 de janeiro de 2006 às 19:49  
Anonymous Anónimo said...

Eu acho que foi apenas desorientac,ao em grande escala. Deviam parecer um bando de baratas tontas lá no L. Rato

23 de janeiro de 2006 às 19:51  
Blogger pedro oliveira said...

Talvez estivessem a assistir em DVD ao filme: "E tudo o vento levou".

23 de janeiro de 2006 às 20:07  
Anonymous Anónimo said...

Não me parece que tenha sido propositado, mas que foi de uma falta de "timming" grave, foi! Não havia um único individuo a assistir ao que se passava nas tv´s e que podesse informar de que naquele momento Manuel Alegre estava a falar? Se realmente existia alguém a prestar atenção às tv´s, então foi de uma grande falta de respeito e uma atitude muito reprovavél!

24 de janeiro de 2006 às 09:50  
Blogger Filipe Baldaque said...

Acredito que a interrupção do discurso de Alegre foi propositada (ninguém me convence do contrário). O mais grave é que foi com o conluío das TV's. Não parece esranho que todas as TV's, sem excepção, tenham optado pelo 1º ministro (que de acordo com o mesmo nada tinha a haver com estas eleições)em detrimento de Alegre.
Haja paciência!!!

24 de janeiro de 2006 às 10:51  
Anonymous Anónimo said...

E o PS bem podia escolher alguém com melhor "aspecto" do que o enjoado (e enjoativo) Vitalino Canas.


Duarte

24 de janeiro de 2006 às 10:57  
Anonymous Anónimo said...

Pois olhem, eu acho que o Vitalino Canas foi muito bem escolhido.Para dizer parvoíces tinha de ser um gajo assim, com cara de...

24 de janeiro de 2006 às 10:59  
Blogger cãorafeiro said...

carlos, é como disse ALAIN, glosando LORD ACTON:

O PODER ENLOUQUECE, E O PODER ABSOLUTO ENLOUQUECE ABSOLUTAMENTE!

24 de janeiro de 2006 às 14:47  
Blogger Ant.º das Neves Castanho said...

É triste e sintomático, mas atenção que não foi caso único: o Jerónimo também foi barbaramente interropmido, pelo menos na TSF (só que ninguém fala nisso...)!

Mas mais grave ainda é que, numa campanha em que todos, candidatos e televisões, conviveram descansada e impunemente com a flagrante e indesculpável marginalização dos debates de um dos candidatos, não há autoridade para criticar seja o que for...

24 de janeiro de 2006 às 16:32  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

A. Castanho,

Tem toda a razão.
E a desculpa mais recente que eu ouvi é falsa:

Diz um indivíduo que G.Pereira não foi convidado para debates porque não tinha ainda entregue as 7500 assinaturas.

Ora, quando os debates nas TV começaram, a maioria também ainda não o tinha feito (julgo que só o J. Sousa é que era, verdadeiramente, candidato)

24 de janeiro de 2006 às 16:34  
Blogger Ant.º das Neves Castanho said...

A ser assim então é, de facto, imperdoável.

Se alguém pudesse medir as consequências a prazo, na formação ética da juventude, destes exemplos e lições anti-pedagógicas...

24 de janeiro de 2006 às 16:49  

Publicar um comentário

<< Home