16.1.08

Um 'post' em várias partes

Parte I: «Quem sabe onde é isto?»
Parte II: À pergunta anterior, cuja resposta foi dada nos comentários 1 e 3, segue-se outra:
«Porque é que certas pessoas (nomeadamente autarcas de Setúbal) se mostram MUITO mais preocupadas com a co-incineração (que pode ser suspensa a qualquer momento) do que com o esventrar da Serra (que não vai parar tão cedo e - pior - é irreversível)?».
Parte III: A minha ideia era não deixar cair este assunto (da co-incineração) recorrendo a perguntas sucessivas - que iriam originar mais "Partes". No entanto, sei agora que o Carlos Barroco Esperança vai afixar um novo post exclusivamente sobre o assunto, pelo que este, para já, se fica por aqui.

Etiquetas:

8 Comments:

Blogger Paulo F. Silva said...

Arrábida?

16 de janeiro de 2008 às 15:01  
Blogger chateaufiesta said...

Sines?

16 de janeiro de 2008 às 15:04  
Blogger jpaaaaaf said...

Isto era a SECIL da Arrábida vista de Troia. "Era" porque grande parte das instalações que se observam (antiga "via húmida") foram entretanto demolidas.

16 de janeiro de 2008 às 15:14  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Este "post" compõe-se de várias "partes":

A Parte I terminou com o 3.º comentário.

Segue-se a Parte II (e outras, a ver...), com nova questão.

16 de janeiro de 2008 às 16:50  
Blogger diogo said...

enquanto se falar da co-incineração , não se fala do esventrar da arrábida . embora eu seja da opinião que quem fala disso não vive em casas de madeira mas sim de betão ...

16 de janeiro de 2008 às 20:39  
Blogger Contacte-nos said...

triste mesmo é ver a continuação da degradação constante da serra, conto uma estória que têm a validade que lhe quiserem dar,conta-se que uma das pedreiras a poente de sesimbra (propriedade de um tal senhor Galo dizem-me), junto á serra da Azoia, parte inclusa do P.N.A, têm uma cota limite de exploração representada por um marco que delimita a zona de exploração...
Não é que "contam" que todos os anos esse marco mexe-se?
A fiscalização uma fantasia, a selvajaria uma realidade.

16 de janeiro de 2008 às 21:50  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

O último golpe de génio consistiu em ampliar a exploração da Secil sem "aumentar a sua área".
Como? Aumentando em profundidade!!

16 de janeiro de 2008 às 22:04  
Blogger R. da Cunha said...

Eu sou do tempo do Cavaleiro Andante, não do marco andante ou errante, como preferirem!

17 de janeiro de 2008 às 18:49  

Publicar um comentário

<< Home