19.4.08

A MINHA COLECÇÃO de recortes que nos dão conta de «desvaloriza...dores (m/f)» continua a crescer - e a um tal ritmo, que deixei de os divulgar aqui para não se tornarem enjoativos. No entanto, este, por ser actual e vir a propósito da crónica de João Paulo Guerra, foi excepção.

Etiquetas:

4 Comments:

Blogger lobo said...

Caímos numa discussão estéril. É tudo tão reles que não faz qualquer sentido valorizar ou desvalorizar o que quer que seja. Se os valores não existem...

19 de abril de 2008 às 17:36  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Lobo,

Aqui no blogue tenho apresentado recortes que dão conta de pessoas que, face a problemas graves, fazem uma de quatro coisas: DESVALORIZAM, DESDRAMATIZAM, RELATIVIZAM ou MINIMIZAM.

E são tanto mais lestos a fazê-lo quanto mais responsáveis pelo que está em causa.

Neste caso, o que é que pode significar a expressão «Desvalorizar a pobreza»?!
Terá sido, apenas, uma 'frase-chapa-3' do jornalista que escreveu a notícia?
Seja como for, não me soa bem...

19 de abril de 2008 às 19:00  
Blogger lobo said...

Já nada me espanta nem me surpreende. É evidente que a frase pode prestar-se a diferentes leituras, nomeadamente: "Não existe pobreza."; "Os pobres não têm qualquer valor.". Eventualmente, outras leituras que agora não me ocorrem. A leitura que eu fiz não pôs em questão a frase escrita pelo jornalista (devia também ter pensado nisso).

A leitura que eu fiz foi contextualizada no que por aí vai, ou seja, para toda esta gente que nos governa e tem responsabilidades, tudo aquilo que os põe em causa e que devia envergonhá-los é desvalorizado. Daí ter entendido a frase como um não reconhecimento da existência da pobreza. Quanto à segunda hipótese, não me atrevi a aceitá-la, porque se o sentido fosse esse, então as coisas estariam bem piores do que estão.

Obrigado pela atenção que dá aos leitores do blogue.

19 de abril de 2008 às 21:22  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Em todos os casos que tenho arquivado, o significado dessas declarações é sempre do género:

«Sim, isso existe, mas não é grave/há coisas piores/
basta de pensar em desgraças/já foi pior do que agora/estamos no bom caminho/se compararmos com outros países/afinal não está tão mal como eu pensava/não é bem como dizem/ etc»

19 de abril de 2008 às 21:30  

Enviar um comentário

<< Home