19.11.08

MFL e a "graça pesada'’

Por Alfredo Barroso
DIZ-SE AGORA que a inefável presidente do PSD quis ser irónica. E eu, cheio de boa vontade, acredito. Mas a verdade é que Manuela Ferreira Leite não tem jeito nenhum para ironias e acabou por fazer aquilo a que se chama ‘graça pesada’, isto é, uma ‘graçola’ que quase toda a gente leva a sério e que tem, por isso mesmo, pesadas consequências – políticas, neste caso.
Convém saber que, inclusivamente, no Direito Penal, a ‘graça pesada’ pode ser severamente sancionada se der origem a um crime contra a propriedade ou contra pessoas.
Em suma: pobre senhora, que não tem mesmo jeito nenhum para a política!

Etiquetas:

7 Comments:

Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Pièrre Daninos escreveu um saboroso livro intitulado «O Humor à Volta do Mundo», onde descreve o que é que faz – ou não faz... – rir os cidadãos das diversas culturas.

O leitor fica assim alertado para o perigo que constitui o facto de contar uma piada para uma plateia em que a maioria das pessoas não a entende como tal.

E nada mais penoso do que ver o ‘contador da laracha’ a olhar para os ouvintes (no fundo convencido que eles é que são burros) e a dizer: «Olhem que o que eu contei é uma anedota! Bem... como vi que não a perceberam, passo a explicá-la...»

19 de novembro de 2008 às 13:47  
Blogger Sepúlveda said...

Este comentário foi removido pelo autor.

19 de novembro de 2008 às 18:05  
Blogger Sepúlveda said...

MFL simplesmente não sabe ter aquele ar irónico para condizer com o que disse. Mas de certeza que há muitas pessoas às quais dá imenso jeito fazer deste caso zero um caso enorme e "gravíssimo", ou por não saberem sobre o que mais hão de falar ou para desviar as atenções de outros assuntos (manifestações sérias de professores e alunos, por ex.).
Também é normal que, sentindo-se alvo de justa crítica, os PS ferrenhos queiram desviar as atenções, tentando manchar a credibilidade de MFL. Shoot the messenger.

19 de novembro de 2008 às 18:05  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

De entre as muitas variedades de humor, há uma, chamada "ironia", com o qual se tem de ter especiais cuidados:
Trata-se de dizer exactamente o oposto do que se pretende, e o efeito é conseguido porque a audiência (necessaria mente restrita) conhece de antemão o assunto e o 'humorista'.

Esse tipo de humor, evidentemente, pode ter efeitos desastrosos; foi o caso, pois juntaram-se várias condições para isso:

O público, em vez de restrito, foi o país todo, e a intérprete foi alguém que associamos a tudo menos a humor.

Para cúmulo, aí temos os apoiantes de MFL na situação confrangedora atrás referida: «Olhem que aquilo era uma piada, Não perceberam?»

19 de novembro de 2008 às 18:43  
Blogger Fartinho da Silva said...

E as gafes de José Pinto de Sousa, não merecem comentários?

E a promoção por parte do Primeiro Ministro de computadores montados por uma empresa portuguesa, não merecem comentários?

E a "democracia" do "PS", não merece comentários?

19 de novembro de 2008 às 18:57  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Fartinho da Silva,

Tem toda a razão, mas já Aristóteles dizia que se deve abordar um tema de cada vez!

19 de novembro de 2008 às 19:01  
Blogger Jorge Oliveira said...

Não tenho qualquer fé nesta senhora para tirar o lugar a Sócrates, e bem gostava, mas faço-lhe a justiça de reconhecer o sentido da piada.

Os patifes do PS é que aproveitaram de imediato para distorcer tudo.

Só que MF Leite tem a obrigação de conhecer o calibre dos adversários e deveria ter mais cuidado com o que diz.

Para dizer o que disse, devia ter esclarecido, sem margem para dúvidas, que era Sócrates o visado. Os "spin doctors" diriam o mesmo, mas o pessoal mandava-os dar um spin...

19 de novembro de 2008 às 23:14  

Publicar um comentário

<< Home