19.11.08

...E não se pode exterminá-los?

COMO SE JÁ NÃO BASTASSE o portuguesíssimo doutor Durão Barroso ser apontado a dedo como um presidente da Comissão Europeia «incompetente, inócuo e subserviente», vem agora o «Financial Times» proclamar que o portuguesíssimo doutor Fernando Teixeira dos Santos é o pior ministro das Finanças entre 19 países da União Europeia, com uma péssima «performance» política e um mau desempenho ao nível macroeconómico.
Como não há duas desgraças sem três, a lusitaníssima doutora Manuela Ferreira Leite, inefável presidente do PSD, achou por bem confessar em público que «não acredita em reformas quando se está em democracia», acrescentando, para que não subsista qualquer dúvida: «E até nem sei se a certa altura não seria bom haver seis meses sem democracia, mete-se tudo na ordem e depois então venha a democracia». Assim, sem pestanejar!
Tanta desgraça e tanto disparate juntos, que nem o patriotismo mais pacóvio pode iludir, seriam motivo para rir se não fosse a vontade de chorar. Infelizmente, no ambiente geral de mediocridade que caracteriza a classe política dominante, ninguém se atreve a propor a remoção daquelas três criaturas dos altos cargos políticos que tão mal desempenham. Caso para perguntar, parafraseando Karl Valentin: «…E não se pode exterminá-los?».
NOTA: Esta e outras crónicas do autor estão também no seu blogue Traço Grosso.

Etiquetas:

8 Comments:

Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

A gracinha de MFL (acerca da suspensão da democracia durante 6 meses) continua hoje a fazer correr muita tanta - não tanto pela frase em si, mas pela falta de senso que a autora revelou ao proferi-la.

-

Imagine-se que alguém, numa festa de aldeia (e pretendendo ser engraçado), diz, aos microfones, que uma importante pessoa da terra cometeu um determinado acto condenável.

Se o autor da afirmação é o habitual animador, a malta ri-se, e a coisa fica por ali.

Ao invés, se é alguém que não costuma brincar, haverá, por certo, muitas pessoas (porventura, até, a maioria) que levarão as palavras à letra.

Os danos poderão ser grandes, de pouco adiantando posteriores esclarecimentos - ainda por cima apelidando de burros os que não perceberam a - suposta - finíssima ironia.

No nosso caso, o autor do mal-entendido não é um qualquer ‘engraçadinho de aldeia’ mas sim líder do maior partido da Oposição…

19 de novembro de 2008 às 10:56  
Blogger Unknown said...

Cada vez mais estou cada vez menos de acordo contigo, Alfredo. O que não me impede de continuar a pensar ser teu amigo, ainda que não me ligues nenhuma. (Desabafo que só se tem com Amigos)

O caso presente, porém, é um daqueles em que estou 98,7 % contigo. E não digo 196,3 % porque, além do pleonasmo, ainda considero que Fernando Teixeira dos Santos é um bom ministro das Finanças.

Com uma tarefa imensa, ingrata e verdadeiramente hercúlea, talvez seja, mesmo, o melhor que temos tido nos últimos 50 anos. Pensava que era Sousa Franco; mudei de ideias. Só os burros não mudam...

No restante, nihil obstat. Imprimatur. Ite missa est. Já o escrevi por diversas vezes, o que me tem originado - para além da contestação normal em Democracia, a tal que a Dr.ª Manuela FL pensa que devia ser suspensa por seis mesesitos - insultos q.b. e, até, dissabores diversos. Nós, os Portugueses, não prestamos.

Naturalmente, com algumas, bastantes felizmente, excepções que servem para confirmar a regra. E se assim é (reafirmo que, para mim, é) não temos senão os pseudopolíticos que nós próprios escolhemos, ainda que a diversos níveis e em circunstâncias assaz diferentes.

Posso, portanto, referir uma verdade característica de um qualquer Amigo Bana, primo direito de um tal Senhor de la Palice. Neste particular, como em muitos outros, infelizmente, temos aquilo que merecemos.

19 de novembro de 2008 às 11:30  
Blogger Sepúlveda said...

"a tal que a Dr.ª Manuela FL pensa que devia ser suspensa por seis mesesitos"
Já está a dizer que ela queria que isso acontecesse. Isso é que é feio e falso. E quem ouviu as frases seguintes à frase "E até nem sei se a certa altura não seria bom haver seis meses sem democracia, mete-se tudo na ordem e depois então venha a democracia"
percebe isso perfeitamente. Não é preciso tentar distorcer a realidade para arranjar algo para criticar. Para isso, simplesmente inventamos factos engraçados (como por vezes também há quem faça) para atacar e condenar. Mas há simplesmente muitas outras coisas que merecem crítica e em todos os campos da nossa política.
E dizer que é o que nós merecemos é daquelas tretas que só são ponto assente e indiscutível se não estivermos virados para tentar encontrar e discutir alternativas sérias ou aprofundarmos as questões. Servem para o caso de querermos simplesmente encolher os ombros e conformarmo-nos.
É claro que às vezes também estamos fartos de nos aborrecermos com tanta coisa errada que gostaríamos que fosse diferente e não apetece ir mais além.
Mas gente mesmo boa na política é verdade que tarda em revelar-se (não digo aparecer, porque se calhar está lá mas ainda "adormecido").

19 de novembro de 2008 às 18:38  
Blogger Fartinho da Silva said...

E a "democracia" de José Pinto de Sousa, não merece comentários?

E a promoção de computadores montados por uma empresa privada, não merece comentários?

E a perseguição de uma classe profissional, não merece comentários?

19 de novembro de 2008 às 18:59  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Fartinho da Silva.

Os temas que refere têm sido referidos noutros posts.

Caso não ache suficiente o que neles é dito, disponha deste espaço para dizer de sua justiça!

19 de novembro de 2008 às 19:03  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Caro Antunes Ferreira,

Não vejo onde está a contradição.

O Teixeira dos Santos pode ser o melhor Ministro das Finanças português desde que há memória (como meu amigo diz), e pode, ao mesmo tempo, ser o pior dos 19 da U.E. (como diz o 'Financial Times').
Uma coisa não invalida a outra.

-

Por sinal, o mesmo jornal (que o coloca em 19.º lugar no que toca a 'performances') dá-lhe algumas classificações melhores noutros aspectos:

No que toca a 'estabilidade', coloca-o em 11.º lugar; no que toca a 'desempenho macroeconómico', em 17.º.

19 de novembro de 2008 às 19:48  
Blogger Karocha said...

Poder pode.

E depois quem governava o Pais?

19 de novembro de 2008 às 22:13  
Blogger ferreira said...

E o tio Mário? Não tem classificação?
É um desclassificado?

21 de novembro de 2008 às 01:12  

Publicar um comentário

<< Home