27.4.09

«Um Amor de Perdição» - Passatempo com prémio

TAL COMO anunciado, o Sorumbático desafia os leitores que viram este filme de Mário Barroso a darem a sua opinião acerca dele.

O prémio, a atribuir ao autor do melhor comentário, será um exemplar da obra de Camilo em que o realizador se inspirou ou, em alternativa, O Romance dum Homem Rico, do mesmo romancista. Em princípio, o passatempo terminará às 20h da próxima sexta-feira, dia 1 de Maio, podendo, no entanto, o prazo ser prorrogado se, até essa altura, houver poucas respostas.

Actualização (1 Mai 09/20h50m): vão ser atribuídos, aos 2 participantes, os 2 livros referidos, o que será feito de uma forma muito simples: a partir deste momento, João e 'Mg' deverão dizer, em comentário, qual das obras preferem. O primeiro a responder receberá o livro que indicar. A seguir a isso, terão 48h para esreverem para sorumbatico@iol.pt indicando morada para envio.

Etiquetas:

4 Comments:

Blogger João said...

Comecemos pelo fim: não parece um filme português. E talvez este seja o maior elogio que possamos fazer a este filme.
Tenho acompanhado, dentro dos possíveis (e do meu gosto, o cinema português. Surpreendo-me com uns, prefiro não me manifestar em outros para não pensar que somos sempre maus.
Recordo-me um filme atrasado que fui ver (Dot.com) e que me surpreendeu muito.
Mais recentemente tive o privilégio de ver A Corte do Norte e foi outro filme que me deixou bastante satisfeito com o cinema português.
Um Amor de Perdição voltou a fazer-me acreditar que em Portugal também se pode fazer coisas boas. Não é preciso muito e, por vezes, basta ser simples ou, melhor, não complicar.
Excelente o papel de Simão (Tomás Alves) bem como o da sua irmã Rita (Patrícia Franco).
Gostei dos cenários escolhidos, guarda roupa e a a forma como a história foi desenrolando.
Recomendo, a quem tenha possibilidade, que vá ver o filme.
Não é o típico filme comercial (do Manoel de Oliveira, com Nicolau Breyner e meninas com as maminhas de fora), não é o filme perfeito. Mas é português, é bastante BOM, e deixa-nos satisfeitos.

E aquela sensação agradável de que se podem fazer coisas boas, neste cantinho, não tem preço.

27 de abril de 2009 às 17:21  
Blogger Mg said...

Eternamente, Camilo!

Não sou propriamente um fã da produção cinematográfica nacional, devo confessar.
Prefiro produções estrangeiras (maioritariamente, a americana), talvez porque, por disporem de mais recursos (financeiros - principalmente - humanos e técnicos), conseguem apresentar um produto final de melhor qualidade.

O último filme nacional que vi antes do "Amor de Perdição" foi o "Second Life", que , diga-se de passagem, deixa muito a desejar, pelo que já estava mentalmente preparado para o pior.

Não foi o caso. Apesar de não ser uma obra-prima, digna representante da que lhe serviu de inspiração, Amor de Perdição não deixa de ser um bom filme, se comparado com a média do que se vai produzindo por cá.

Uma boa adaptação da obra de Camilo, com um elenco razoável que não descurou o brio da sua profissão.

Pena é que, por cá, não se aposte mais (entre outras coisas) no cinema.

Mas isso são contas de um outro rosário...

E como hoje o dia foi, provavelmente, de descanso (bendita Revolução) e amanhã, por certo, as cabeças estão mais frescas e o corpo menos cansado, porque não comprar um bilhetinho e um pacote de pipocas e apoiar o que é nosso?

Não se dará o tempo por perdido e sempre se conta o estímulo dado para que se possa fazer cada vez mais, e, sobretudo, melhor...

1 de maio de 2009 às 19:48  
Blogger João said...

Optaria pel'O Romance dum Homem Rico.
Obrigado

1 de maio de 2009 às 21:59  
Blogger Unknown said...

Parabéns ao Sorumbático pelo estímulo.
Parabéns aos participantes no passatempo pelos comentários deixados.
"Um Amor de Perdição" não pretende reproduzir "Amor de Perdição". Serve-se dele como pretexto para gritar algumas evidências da sociedade actual. Tecnicamente poderia ser melhor, sim, mas não esqueçamos os meios de que os realizadores portugueses dispõem. Antes de "Um Amor..", em 2007, Tomás Alves, foi coprotagonista de um filme de Leandro Ferreira - "Do Outro Lado do Mundo", também subsidiado pelo ICA. Nada sabemos dele. Porquê? Por não ser produzido pelo Paulo Branco?
Bem hajam por se orgulharem do que por cá se faz BEM!

2 de maio de 2009 às 22:12  

Publicar um comentário

<< Home