28.1.10

Mas as crianças, Senhor? -II

Por João Duque

O bairro onde nasci transformou-se e com ele esfumaram-se os velhos retalhistas. A mercearia virou supermercado de uma cadeia famosa.
O SAPATEIRO virou pastelaria que mais tarde fechou e foi transformada em Banco. O talho é hoje uma lavandaria de nome estrangeiro e o lugar da fruta deu lugar a uma loja de produtos informáticos depois de ter sido um centro de fotocópias.
A loja de brinquedos, a minha perdição de criança fechou e é hoje uma perfumaria. Quantas horas a brincar (com a imaginação) com o nariz esborrachado na vitrina da montra sem poder tocar nos brinquedos que lá estavam... Naquele tempo não havia cartões de crédito... Aqueles carrinhos, os soldadinhos de chumbo... O Lego! Que saudade... (...)
Texto integral [aqui]

Etiquetas:

1 Comments:

Blogger R. da Cunha said...

Bom, e um café onde joguei bilhar, virou banco nos anos sessemta e hoje é uma loja de chineses. É a vida, coo diria o outro.

28 de janeiro de 2010 às 22:49  

Publicar um comentário

<< Home