28.4.10

Garzón

João Paulo Guerra

O JUIZ BALTAZAR Garzón enfrenta em Espanha uma perseguição miserável.
É o revanchismo por parte dos derrotados da História, os adeptos mais ou menos disfarçados de turvas ditaduras. Toda a sua vida profissional, Garzón foi um homem de grande coragem que enfrentou poderes ocultos, cumplicidades do passado mais tenebroso, fazendo-lhes frente. Mais do que isso, Garzón deu a milhões de pessoas, por todo o mundo, uma réstia de esperança para crer na justiça. Talvez nem ele próprio se aperceba da dimensão que adquiriu e do símbolo em que se transformou: o símbolo da vitória da justiça sobre a grande injustiça dos fascismos, da opressão, da repressão surda ou sangrenta. (...)

Texto integral [aqui]

Etiquetas: ,

1 Comments:

Blogger GMaciel said...

As democracias têm destes paradoxos: permitem ao fascista o que ele não permitiria se estivesse no poder.

Que vença a democracia pela mão popular, lá ou cá.

28 de abril de 2010 às 15:14  

Publicar um comentário

<< Home