30.9.13

Os votos incómodos de que pouco ou nada se fala

NOTA 1: compare-se estes valores com as votações dos partidos e coligações - ver [aqui]
NOTA 2: em 2009, os valores foram, respectivamente, 94627 e 68907

4 Comments:

Blogger 500 said...

Isto é: mais de metade dos recenseados (muitos já morreram, é verdade)não quiseram ou não puderam expressar o seu sentido de voto. Começa (?) a ser preocupante. Aí , mesmo sem o seu voto, o Costa obteve uma maioria confortável.

30 de setembro de 2013 às 21:09  
Blogger Henrique ANTUNES FERREIRA said...

Atenção

Pelo menos, o Carlos Barbosa de Oliveira fala e bem sobre isto no seu Crónicas do Rochedo

30 de setembro de 2013 às 23:14  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Acrescentei duas NOTAs, que ajudam a enquadrar estes números.

1 de outubro de 2013 às 08:57  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

O 'post' que o Henrique refere diz o seguinte:
--
Balanço (quase) final

Apesar de ainda faltar conhecer o escrutínio final em três freguesias, os resultados já apurados permitem fazer uma leitura sobre alguns factos relevantes.
Mais do que a abstenção de 47,4% - é bom não esquecer que cerca de 10% dos nomes constantes nos cadernos eleitorais são de mortos que, por muito que o desejassem, não poderão ir votar e de emigrantes cuja percentagem não é contabilizável, mas totalizará largas dezenas de milhares de eleitores - impressiona olhar para o número de votos em branco ( 193 mil) e nulos (147 mil).

Em termos percentuais, a soma dos votos brancos ( 3,87%) e nulos (2,95%) representa mais do dobro do número de eleitores que votaram no CDS (3,05%)- quando não coligado - e quase o triplo dos eleitores do BE (2,42%)
.
Estes eleitores que se deslocaram às assembleias de voto e votaram branco ou nulo também fizeram questão de expressar uma opinião: não se revêem em nenhum dos candidatos.

Ao contrário dos abstencionistas, que poderão não ter ido votar pelas mais diversas razões, os que votaram branco ou nulo têm uma opinião sobre a democracia em que vivemos. Ninguém- a começar pelos partidos- pode desprezar o significado destes números – poderiam ser ainda mais expressivos se não houvesse candidaturas independentes.

Os independentes- sublinhe-se- obtiveram 6,9% dos votos e garantiram a presidência de 13 câmaras, 8 das quais com maioria absoluta.
Os partidos terão, obrigatoriamente, de olhar para estes resultados com alguma apreensão e muita responsabilidade. Espero que comecem já amanhã...

1 de outubro de 2013 às 09:39  

Enviar um comentário

<< Home