13.6.15

Cavaco e o 10 de Junho

Por Antunes Ferreira
O discurso do suposto Presidente da República, nas comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, agradou à coligação no poder e recebeu críticas dos partidos da oposição. De tão repetitiva, a intervenção de Aníbal Cavaco Silva já se pode qualificar de calina, obtusa, partidária e vingativa. Tudo “qualidades” que o Chefe do Estado se esforçou por demonstrar em Lamego.
Mais laranja do que os laranjas, ou seja, mais papista do que o Papa, Cavaco encostou-se ao (des)Governo que nos calhou em (má) sorte. O alinhamento foi perfeito. Se ainda pudesse haver dúvidas sobre as intenções e as inclinações (e poucas havia já), as palavras  por ele proferidas confirmaram o que já se sabia: as hostilidades com a oposição, com esta oposição, entraram em velocidade mais do que de cruzeiro. Benza-o Deus, a Senhora de Fátima e quiçá o “santo” Padre Cruz. Resumindo: a Trindade Santíssima do (ainda) inquilino de Belém.
De resto, para ele e para os seus correligionários, o 10 de Junho regrediu uns bons anos – isto é aos do antes do 25 de Abril. A mesma solenidade hirta, os mesmos fatos negros, as mesmas gravatas de cerimónia, tudo se conjugou para, na cidade do distrito de Viseu, situada no que foi a tradicional Província de Trás os Montes e Alto Douro, se reviver as cerimónias do Terreiro do Paço. Só faltaram as crianças que ali se deslocavam para receber a título póstumo as medalhas conquistadas na guerra colonial pelos seus falecidos pais.
O que, convenhamos, é pior do que mau – é péssimo. Os militares que participaram na encenação (pois que mais lhe havemos de chamar?) foram similares à Brigada do Reumático em que Marcelo Caetano acreditou - quando lhe foi prestar preito de vassalagem – que era a legítima represente das forças Armadas. Depois, foi o que se viu: o movimento dos capitães que resultaria no MFA, o Movimento das Forças Armadas, que o apeou do cavalo do poder.
Agora, os oficiais que já tinham tentado entregar  as respectivas condecorações no palácio presidencial, o que lhes foi recusado, entenderam não participar no que pôde (e pode) considerar uma fantochada triste e enfadonha. Uma outra vez ficou feito o aviso: Sua Excelência o Presidente da República, aliás reeleito, que tome cuidado: Cuidado porque há coisas que acontecem e que depois delas não se pode chorar nem apelar ao povo português. É como o leite derramado. O point of no return.
Porém o verdadeiro presidente do PSD continuou a participar na pré campanha eleitoral do seu partido, impávido e sereno no preciso momento em que todos os membros que vivem pela rua de São Caetano à Lapa se mobilizavam para voltar a levar ao poder a coligação dos sociais democratas(?) e dos centristas. É obra. E desfaçatez.
Entre as muitas críticas que recebeu e muito justificadamente dos partidos da esquerda parlamentar, o PCP, o BE, os Verdes, há que ressaltar a posição da maior força oposicionista: o Partido Socialista: transcrevo o que disse a comunicação social verdadeira:
Os portugueses esperavam que Cavaco Silva tivesse sido o seu porta-voz e menos o eco do Governo", afirmou António Costa, em declarações aos jornalistas à entrada para a recepção da cerimónia que assinalou o 10 de Junho no Luxemburgo. Para o secretário-geral do PS, "o Presidente da República, pela cobertura que tem dado a este Governo, tem contribuído para o desânimo e para a descrença", pelo que, argumentou, a alternativa do PS "vai contribuir para virar a página".
"O senhor Presidente da República pode estar tranquilo porque, conforme nos vamos aproximando das eleições, o desânimo e pessimismo vão dando lugar à confiança que os portugueses têm de que há uma alternativa que lhes vai permitir virar a página da austeridade, relançar a economia e criar emprego", afirmou.
António Costa disse ainda estar "certo" de que vai "herdar uma situação muito difícil, uma dívida muito pesada, tal como aconteceu em [Câmara Municipal] Lisboa". A este propósito, defendeu que, tal como aconteceu na autarquia, saberá "resolver a situação das finanças públicas sem sacrificar os direitos dos portugueses e a economia".
Apesar das críticas a Cavaco Silva, o secretário-geral do PS considerou positiva a homenagem póstuma ao antigo ministro da Ciência Mariano Gago (a quem em vida não a teria tido e nãoteve) e ainda afirmou que o Presidente da República "fez uma análise justa ao esforço do professor Teixeira dos Santos da gestão que fez das finanças públicas num momento tão crítico da economia mundial".

Os dados estão lançados; aliás já estavam. Em Outubro, nas urnas, Cavaco terá a resposta devida – se os portugueses não continuarem a ter a memória curta que usam ter habitualmente.

Etiquetas:

5 Comments:

Blogger opjj said...

Não toma comprimidos por isso a raiva mais parece de cão do que de gente. Vá a votos e depois conte-os.
Um PIO raivoso. Parece daqueles que tem pensão de 300€ e berram ao longo de kilómetros que lhes estão a roubar a pensão.
E assim se enganam os tolos.
Humildade precisa-se

13 de junho de 2015 às 17:09  
Blogger Carlos Esperança said...

Eu, porque tomo os comprimidos, subscrevo inteiramente o texto publicado.

13 de junho de 2015 às 19:01  
Blogger lino said...

Muito bem dito, Henriquamigo!
Abraço

13 de junho de 2015 às 20:18  
Blogger Henrique ANTUNES FERREIRA said...

Caro,caro? Caríssimo senhor opjj

Esqueceu-se de tomas 12 gotas antes de se deitar. Não é mau, é péssimo.

Antunes Ferreira

13 de junho de 2015 às 20:40  
Blogger 500 said...

O opjj vive em que galáxia?

13 de junho de 2015 às 22:10  

Enviar um comentário

<< Home