8.3.19

Desconfiar Cada Vez Mais

Por Joaquim Letria
Um recente estudo mostra que os portugueses cada vez acreditam menos nos partidos, aceitam menos as decisões do parlamento e desconfiam mais do Governo. Penso existirem razões claras para que assim aconteça.
Integridade, dedicação à causa pública, capacidade intelectual, tudo isto foi negligenciado e o sucesso público e a fama tornaram-se nos únicos valores que contam, sendo a importância de cada um de nós aferida exclusivamente pela capacidade de ser rico.
Já há muito tempo que os escândalos empresariais mostram o lado negro da economia. A vida económica seguiu um triste rumo que legitima práticas durante décadas consideradas ilegais e moralmente condenáveis.
Seria necessária coragem moral e vontade política para pôr fim a essas práticas consensualmente condenadas. Mas como ter a capacidade de mudar as coisas? Não podemos tornar as pessoas virtuosas, tal como não podemos fazê-las democratas por decisão ou imposição pública. Temos, então, de contar com os nossos professores, os nossos políticos, os nossos comentadores, os nossos media e as nossas famílias para dar exemplos e criar uma base diferente a uma nova abordagem moral. Como se calcula, não é fácil.
É evidente que também enfrentamos uma crise de liderança. O descrédito da economia pública e o fracasso de modelos alternativos geraram políticos longe de estarem à altura de lidarem com os problemas, quando mesmo não são eles a criarem as asneiras dispendiosas e os erros que teremos de pagar e suportar ao longo de anos.
Temos de ter a noção de que esta situação em que vivemos é, em grande parte, o resultado da acção de lóbis poderosos, financeiros, económicos e políticos. Em Portugal e em muitos outros países a prática política não é democrática e o debate económico não é plural.
Não há muita gente com vontade de se recordar que o mercado não existe em estado puro. O mercado é moldado pelas configurações que o definem e lhe dão direcção. A economia e a finança, enquanto instrumentos, podem ser mal usados quando quem está ao leme e o serve tem motivações puramente egoístas. Desta forma, instrumentos que são bons em si mesmos podem ser transformados em ferramentas prejudiciais, como já aprendemos e continuamos a ver acontecer nos nossos dias e diante dos nossos olhos.
Publicado no Minho Digital

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger José Batista said...

Tenho inveja de não ter sido eu a escrever este texto.
Parabéns e obrigado ao J. Letria.

9 de março de 2019 às 22:54  
Blogger Ilha da lua said...

E,são estas práticas,que aos poucos estão corroer a democracia

9 de março de 2019 às 23:14  

Publicar um comentário

<< Home