29.3.08

Ditados a granel

Por Antunes Ferreira
UM HOMEM NÃO É DE PAU, diz rifão bem conhecido. Cuidado: os provérbios são, normalmente certíssimos. Não se podem desdenhar, absolutamente. De resto, também afirma o povo que quem desdenha quer comprar. A ser assim... Se um cidadão cai na zona demarcada de um adágio, está tramado. É um pouco como os vinhos, também originários de zonas equivalentes: quando se bebem em excesso, ou se vai dormir, ou há uma cena triste. Ou umas.
Ora bem: a luxúria que está na base da máxima popular é um dos sete pecados capitais, que, de acordo com a Wikipedia são uma classificação de vícios usada nos primeiros ensinamentos do catolicismo, para educar e esclarecer os crentes, de forma a compreender e controlar os instintos básicos. Não há, no entanto, registo dos sete pecados capitais na Bíblia. Mas são, para além da luxúria, a gula, a preguiça, a avareza, a ira, a soberba e a vaidade.
São Tomás de Aquino escreveu sobre eles. Mais faltaria que o não tivesse feito. Na sua doutrina sobre os pecados capitais - ou vícios capitais -, ele repensou a experiência acumulada sobre o homem ao longo de séculos. Sempre voltado para a experiência e para o fenómeno, é sobretudo, quando trata dos vícios que o seu pensamento mergulha no concreto, e, citando o sábio Dionísio, escreve que "malum autem contingit ex singularibus defectis", ou seja para conhecer o mal é necessário voltar-se para os modos concretos em que ele ocorre.
É bem sabido que o fruto proibido é sempre o mais apetecido. O pecado da carne é, quiçá, o melhor exemplo deste dito. Nos mandamentos está gravado que ninguém pode cobiçar a mulher alheia. Afirmação machista, há que o dizer. Então, se a mulher cobiçar o homem alheio não existe pecado? E se duas fêmeas se cobiçarem uma à outra? E se dois marmanjos procederem idem, idem, aspas, aspas? Vistas as coisas por este prisma, temos, realmente, o caldo entornado. O caldo da carne, evidentemente.
As sociedades humanas encaram os capitais de forma habitualmente severa. Sublinhe-se que umas mais do que outras. Não há forma de se encarar estas questões similarmente. Já não se usa o velho e obsoleto papel químico. (Ainda existe quem o faça, mas a ser assim, é um homem das cavernas, da pedra lascada). Porém, existem outros recursos. A ovelha Dolly foi o primeiro exemplo da clonagem animal. Mas isso são outros quinhentos mil réis, como dizia o Victor da Cunha Rêgo.
Daí que haja grupos mais puritanos do que outros, grupos mais liberais do que outros, grupos mais praticantes que outros, grupos mais condescendentes que outros, grupos, enfim, para todos os gostos e paladares, como os chupa-chupas da nossa infância. Aqui há uns anos, não tão longe quanto se possa pensar, as «coisas feias» não se faziam às claras, eram predominantemente às escuras. Onde vai isso?
Hoje, peca-se a céu aberto. Ouve-se que acabou a hipocrisia. Nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Hipócritas sempre houve, há e haverá. Nem mais. Por todo este Mundo desrazoado ela viceja, benza-a um qualquer deus. É pá, ganda intervenção no Parlamento, quer dizer, olha, filho, o teu discurso foi uma bosta. Sarzedas avançou, fintou um, fintou dois, tirou um terceiro da frente e chutou: um golaço, significa: o guarda-redes deu um frango maior do que uma avestruz, foi pura sorte, o gajo nunca mais marca um igual.
Mais exemplos – para quê? É tudo à vista de todos, nada de tentar fingir que não foi assim, que não é assim, que não será assim. A luxúria é, então, uma prática aberta, obviamente sem cobertura de qualquer qualidade? O desejo satisfaz-se na via pública, sem se dar atenção às placas de sentido proibido, nem de proibição de estacionamento? Depende.
Se há terra onde o falso puritanismo dita leis, ela é os Estados Unidos da América, EUA, USA, escolha-se. Advirta-se: há mais, evidentemente; mas por lá, exagera-se. Com hipocrisia q.b.. Práticas que se verificam à sorrelfa, vêm a público e toca a rebate. As mais das vezes, as coisas endireitam-se, honni soit qui mal y pense, mas quando saem à luz do dia é um vê-se-te-avias. A classe política é, disso, freguesa frequente.
Não se recue muito, basta recordar 1998, quando Bill Clinton se deparou com a «ingratidão» da Mónica Lewinsky. O caso da Sala Oval bradou aos céus. Caiu o Carmo-e-a-Trindade, mas não caiu o Presidente. No entanto, o escândalo correu o Mundo, as anedotas proliferaram, na net foi um corrupio. A vingança serve-se fria. Hoje, Hillary bate-se apenas para derrotar Obama? Ou para limpar o apelido?
Outros casos foram fatais para quem os interpretou. A esmo. Em 2004, o governador de New Jersey, Jim McGreevy, foi apeado por ter sido descoberto em prática homossexual. Ou por intenções de tal natureza. Mataram-no, óbvio que politicamente. Passou a fazer parte do time dos ex qualquer coisa. Corria o ano da graça de 2006, quando Mark Foley, deputado pela Flórida, integrou a equipa. O homem (que até presidia a uma comissão contra a pornografia infantil) andava a atirar-se a menores que estagiavam na Casa Branca.
Já no ano passado, o senador Lerry Craig, pelo Idaho, terá sido apanhado com a boca na botija, salvo seja, num aeroporto. Para mal dos seus pecados, kogo se havia de meter com um agente da autoridade, avesso a tais aproximações. Olho da rua. A sociedade norte-americana cobrava os dividendos que entendia, a moral pública não se permitia ofensas de tal quilate.
Agora, estala mais uma bomba. Começa pelo governador de Nova Iorque, melhor dizendo o ex-governador Eliot Spitzer. O senhor terá gasto uns largos milhares de dólares com umas raparigas mais complacentes. A última, já em Fevereiro, a miss Kristen, nome de guerra profissional, na realidade Ashley Alexandra Dupré deu à dica sobre um alegre convívio no Hotel Mayflower, nome histórico que também era marca de tabaco para cachimbo. Apagou-se. O cachimbo e o governador ex.
Vai daí, o seu número dois, o senhor David Paterson, que com ele integrava o ticket democrata vencedor, ascendeu ao posto. Uma novidade na política do tio Sam. Paterson é cego e negro. Algum dia isso podia acontecer. Foi agora. Mas, espanto dos espantos, o novo governador da Big Apple, logo no dia seguinte à posse, deu uma entrevista acompanhado da esposa amantíssima Michelle, durante a qual declararam ambos que se tinham corneado mutuamente. Os casamentos têm os seus maus momentos, afirmaram.
É o verdadeiro paradigma do pôr as barbas de molho. E duplamente, e ao quadrado. Não só porque foi o ilustre casal a contar os seus feitos extra-conjugais, mas também porque Mister Paterson usa... uma barba cinematográfica que lhe fica a matar. Continuando na senda dos ditados, o (ainda?) governador novaiorquino é como a pescada ou o vestido: antes de o serem já o eram.
Por causa das moscas, esta confissão da insigne parelha é uma antecipação a mais do que provável investigação jornalística que poderia resultar em parangonas criminosas. Resta saber se, quando esta crónica for publicada, ele ainda é governador, ou se já faz parte da sociedade dos ex. A vida dá muitas voltas.

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger Jorge Oliveira said...

Já dizia um grande filósofo da Antiguidade:
A um homem feito pau, não me importo de virar o cu, mas a um homem de pau feito, isso porra, vira tu.

29 de março de 2008 às 12:41  
Blogger Oscar Maximo said...

E eu, que até sou "anti-américas":
1-Quanto ao sofrer as consequências quando são apanhados: concordo, é como acontece com os roubos, desfalques.
2-Quanto ao pregarem uma coisa e fazerem outra: concordo com as consequências, é aí que está a hipocrisia; tanto que o novo governador, além de não prégar, até falou de erros pessoais passados. A armadilha do 1*, é que depois de prégar, não pode dizer que se trata de assunto pessoal,
mas foi ele que a montou.

30 de março de 2008 às 12:12  

Publicar um comentário

<< Home