22.9.07

Como habitualmente sucede aos sábados, aqui fica o post-aberto para quem o quiser utilizar.

1 Comments:

Blogger Carranca said...

Gigas de demagogia, Kbytes de conteúdo

Vejo, sempre que posso, o debate mensal na Assembleia da República. Ontem tive, mais uma vez, a possibilidade de o fazer. Tudo se repetiu, como habitualmente.

O nosso Primeiro escolheu desta vez o Plano Tecnológico como tema do debate mensal. Como é de tecnologia que vamos falar, vou adaptar o discurso para ser mais tecnologicamente correcto, com Ks, como nos SMS da moda. Aqui vai:

A demogogia está patente em todos os quadrantes polítikos no parlamento. O ke é mais karikato é ke todos apontam o dedo aos outros por serem demagogos, mas eskecem-se ke eles próprios também são.

Sókrates enalteceu-se a si próprio e aproveitou o debate mensal para propagandear mais uma vez as medidas postas em prátika por este governo, aproveitando os estudos publikados nos últimos 15 dias ke apontam a subida de Portugal no ranking do e-government.

Markes Mendes, kom um diskurso apagado, pouko karismátiko e konvincente, akusou o Governo de fazer propaganda. Sókrates respondeu ke a agenda do PSD vai a reboke das notícias da semana, eskecendo-se ke foram exaktamente as notícias da semana ke o fizeram eskolher o plano teknológiko para tema do debate mensal. Respostas e kontra-respostas, esgotado o tempo de interpelação do PSD, fika-se kom a ideia klara ke todos já sabiam: Sókrates tem mais retórika, é mais incisivo, mais konvincente e mais entusiástiko no seu diskurso, o ke faz do PSD um opositor frako.

Segue-se o PCP, e, komo habitualmente, o espektákulo degradante de ver deputados do PS e PSD a desrespeitar os seus outros kolegas deputados, abandonando a sala, ou porke para eles o debate akabou ali, ou porke precisam de ir fumar o seu cigarrito.

Jerónimo de Sousa limpou o pó ao seu velho gravador e karregou no PLAY. A kassete debitou o diskurso habitual: mais injustiça, mais desigualdade social, sendo, apesar de tudo, mais konciso e amplamente mais elokuente ke Markes Mendes e o seu apagado diskurso. Saiu-lhe mal a tirada quando apontou um relatório para fundamentar as injustiças e desigualdades, porke Sókrates, ke prepara sempre muitíssimo bem os seus diskursos, apontou, kom uma certeza ke a bankada do PCP foi inkapaz de desmentir, ke o estudo era de 2005, referindo-se a 2004, e ke por isso o PCP estava a ser demagogo e pouko sério na sua interpelação. Sókrates insistiu neste assunto por uma segunda vez e não obteve kualker resposta argumentativa do PCP. Kem kala konsente.

Foi a vez de Paulo Portas, ke komeçou o seu diskurso (enérgiko ao ponto de Sókrates lhe dizer ke a força das palavras não tinha a ver kom os decibéis kom ke eram produzidas) dizendo ke este governo era um governo virtual, iniciando assim um konjunto de sound bites (ou, aproveitando o tema do debate, sound bytes) ke iria kulminar na frase chave do dia, kuando disse ke Sókrates prometia em Gigas mas kumpria em Kbytes.

Para terminar, a interpelação do Bloco, ke aproveitou para apontar as inkompatibilidades na nomeação de um médiko de um Hospital da CUF para um kargo públiko na kriação da polítika onkológika do Governo.

Entre as perguntas ke nada tinham, komo habitualmente, a ver kom o tema do debate e as respostas demagógikas, o debate serviu para muito pouko. Serviu para Sókrates enaltecer, mais uma vez, as medidas do Governo. Serviu para perceber ke ninguém ganhou o debate, mas ke o PCP e o PSD o perderam. Serviu para perceber ke, bem espremido, o debate nada teve de konteúdo, mas muito teve de demagogia.

22 de setembro de 2007 às 17:06  

Enviar um comentário

<< Home