24.4.08

25 de Abril... Sempre

Por C. Barroco Esperança
HÁ QUEM, SENDO QUEM É, esqueça a quem o deve. Há pessoas que Abril fez gente e, se pudessem, retiravam o dia 25 ao mês e suprimiam Abril do calendário.
Há quem exonere da lapela o cravo e da memória a Revolução, parasitas de alheia coragem, a comer frutos da árvore que não plantaram e a repoltrearem-se à farta na mesa que não puseram.
Há quem cavalgue a onda da democracia com ar de enfado e sinta azia com as madrugadas. São os chulos da democracia, proxenetas da liberdade.
Há quem esqueça que há 32 anos alguém arriscou a vida para nos devolver a honra, pegou em armas para nos dar a paz, derrubou a ditadura para trazer a democracia.
Há quem despreze Salgueiro Maia, Melo Antunes, Vasco Gonçalves, Carlos Fabião e outros mais, quem se esqueça de recolher uma pétala vermelha de um cravo de Abril em memória dos que partiram.
Não sei se a Pátria recordará, como deve, os que fizeram Abril. Mas certamente há-de esquecer os parasitas que medram à sua custa e olham o umbigo do seu narcisismo de costas para quem, há 34 anos, fez florir nos canos das espingardas cravos.

Glória eterna aos capitães de Abril.

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger damal said...

25 de Abril sempre!

Viva os capitães de Abril!

24 de abril de 2008 às 13:25  
Blogger antónio said...

Vi esta noite na RTPN um programa com deputados e um convidado: Otelo! A forma como Nuno Melo tentou obsessivamente homenagear o 25 de Novembro e denegrir Abril e Otelo, diz bem do que aqui fala. A dada altura perguntou-se se Otelo não tinha sido da Mocidade Portuguesa. E eu tive pena de não poder dizer que era mais aceitável ser da MP naquele contexto do que ser do CDS/PP, hoje! Mas digo aqui se me permite. Sem nenhum respeito pela MP, entenda-se!

25 de abril de 2008 às 05:21  

Enviar um comentário

<< Home