28.6.08

Três bons malandros

Por Antunes Ferreira

O CARLOS PINTO COELHO é boa praça. O Mário Zambujal, idem. Sou muitíssimo amicíssimo dos dois. Que querem? Uma desgraça nunca vem só. Que os que me lêem – parece que ainda os há, poucos, mas há, e certamente bons cidadãos – me relevem o tom intimista deste escrito. Porém, não podia ser outro. Passo a explicar, justificar não, que a Amizade não se justifica.
.. Um destes dias, mais precisamente na sexta-feira, uma tal Luísa Barragon mandou-me um mail. Transcrevo a parte que para o caso interessa. «Dr. Antunes Ferreira: O Carlos Pinto Coelho teria um enorme prazer de o poder entrevistar para o programa de rádio "Agora Acontece" a propósito do seu livro "Morte na Picada". Temos gravação na próxima 2ªfeira, dia 16 de Junho, às 11h00m. Diga-me, por favor, se poderemos agendar»?
.. Claro que pois claro, disse logo à Senhora, cuja amabilidade e simpatia me deixaram desvanecido. Naturalmente, pedi-lhe para retirar o Dr. e, apesar do telemóvel dela se estar a ir abaixo das canetas, ainda tive a oportunidade de saber, naturalmente por ela, ser filha do Salvador Ribeiro, fotógrafo de mão cheia, com quem eu trabalhara no «Jornal Novo». E fizera um Amigo.
.. Encurtando. O CPC, o malandro, já me dissera que me estava a preparar a armadilha microfónica. Um carinho dele, no que é especialista. Desta feita para comigo, seu amigo de decénios, etc. e tal. Lá fui a Miraflores, ao Estúdio Tcha Tcha Tcha. Tive o privilégio de conhecer pessoalmente a Luisinha, «uma querida», de acordo com o meu editor.
.. Veio o Carlos e ipso facto estamos na cabine de gravação, entretidos numa conversa de compinchas, a que também se podia chamar entrevista. Conduzida pela mão de mestre do meu interlocutor. E a ser difundida por toda a parte (até por Macau). São 84 (eu escrevi oitenta e quatro, não haja dúvidas) as Rádios que a emitem. Só o Pinto Coelho.
.. De resto, um aparte. Nunca compreendi como a RTP se deu à estupidez crassa de acabar com o Acontece que, anos a fio, o Carlos produziu, escreveu, apresentou e sei lá mais o quê. O melhor programa cultural da televisão em Portugal. Ponto. Nada. O melhor, o mais ágil, o mais audaz – o mais vivo. E posso assegurar que não é de agora que o escrevo, nem por força do CPC ser meu Amigo. Já o fiz e repeti-lo-ei.
.. Terminámos. Pareceu-me que a coisa tinha corrido bem, mais por mérito do entrevistador do que do entrevistado. Mas, quando saía da sala do estúdio, há um gajo, perdão, um Senhor gajo que comenta assim a charla. Estava parvo. Era o Mário Zambujal. Há quantos anos o não via. Noites a fio passámos juntos (salvo seja…) no «Diário de Notícias»; ele, chefe da Redacção; eu, Chefe Adjunto. O maior fazedor de títulos que encontrei em toda a minha vida profissional.
.. De resto, assistira ao seu lado à facilidade de escrita – escorreita, directa, irónica – que tinha. Por ali passaram textos e ideias da «Crónica dos Bons Malandros» que seria classificada de óptima, (apenas…) e já vai na 34.ª edição. Se não assisti ao parto, acompanhei a gestação.
.. Foi uma festa. O Carlinhos ia entrevistá-lo de seguida. «Já não se escrevem cartas de amor», o motivo do encontro. Que, vejam lá, decorreu excelentemente. Como nos desafios de futebol, a segunda parte foi melhor do que a primeira, opinião minha. O malandro do Zambujal acabara de me fazer mais uma acintosa maldade: só às quatro da matina correra os taipais da leitura sem parança. Dormira umas escassas quatro horitas, portanto, e por mor da entrevista.
.. Teríamos ficado por ali uns bons cinquenta e sete anos, cinco meses, três dias, oito horas, 27 minutos, 43 segundos e dois décimos na costura das lembranças – e das malandrices. É que eu, ainda que em patamar mais abaixo, também me enquadro nesse quadro dos malandros. Dos bons, Mário dixit. Mas, tudo tem um fim. O Zambujal jurou-me que iria ler o «Morte na Picada». Acreditei e acredito, ainda que com algumas reservas. E, para fechar com chave electrónica, trouxe-me a casa no seu BMW. Gente fina é, realmente, outra coisa.
.. Pronto, está feito. Ninguém tem nada a ver com esta prosa. Ou, quem sabe, se calhar, terá. Não bati no Sócrates, o que é já tão banal de tantas repetições, que já é um ponto a meu favor. Não critiquei a des(união) laranja, que já se tornou calina. Não encomiei a selecção portuga de futebol, o que poderia parecer seguidismo da sua omnipresença. Não falei da crise, de tal forma é óbvia. Nem sequer aflorei o miserável índice de confiança na economia nacional. Limitei-me a fazer a crónica do reencontro de três bons malandros. Sem que nisso se veja qualquer tentativa soez de plágio, pois o Mário é único e implagiável. Até me dando ao luxo de uns quantos neologismos espúrios. Porra! Os Amigos são, sobretudo, para as ocasiões.

Etiquetas:

4 Comments:

Blogger annie hall said...

Concordo consigo, tb não entendi até hoje porque acabaram com o Acontece !

28 de junho de 2008 às 17:54  
Blogger R. da Cunha said...

Mas que grande malandragem, a começar pelo malando-mor, o Mário, a quem sempre me referi (depois do livro) como o Bom Malandro, nas conversas com amigos e familiares.
Quanto ao CPC ainda estou por perceber o que passou entre a RTP e ele próprio. Foi uma machadada das antigas na cultura deste país.

28 de junho de 2008 às 18:36  
Blogger Antunes Ferreira said...

Cara Annie Hall

Parece mesmo que o «Acontece» tinha uma dose maciça de AIDS (ou SIDA) e poderia contaminar os restantes programas da RTP. Quem sabe até - se todos?

O Carlos devia, por tal motivo, obter uma declaração passada pelo Dr. George, no estilo daquelas que enchiam os jornais depois do 25 de Abril em relação à PIDE. O Senhor A, injustamente acusado, nunca pertencera à PIDE/DGS, nem fora seu informador, fora mesmo um cidadão exemplar, antifascista no íntimo, mas não declarado.

Assim, sugiro:

Para os devidos efeitos e declaração esclarecedora, atesto por minha honra e boa fé que o programa televisivo «Acontece» não é portador do HIV, nem de Hepatite B, nem de anginas, unha encravada ou bicos de papagaio.

Desta forma nada impede que continue a ser transmitido; pelo contrário, receita-se mesmo a sua atenta observação como terapêutica cultural para as inúmeras asneiradas que por aí proliferam.

Dê-se conhecimento a quem de direito, nomeadamente à Insolentíssima Administração da RTP para procedimento retroactivo.

A bem da População da Nação
Assinatura rabiscada sob selo branco
Nihil obstat. Imprimatur

29 de junho de 2008 às 00:48  
Blogger Antunes Ferreira said...

Amigo R. da Cunha

Malandros bons somos os três do boneco fotográfico. Dois melhores e um pior. Só pudor me impede de os nomear. Ms, porque será que me chamam ovelha negra?

Quanto ao «Acontece» remeto-o para a anota anterior em resposta à Annie. Aos dois, muito obrigado.

29 de junho de 2008 às 00:51  

Enviar um comentário

<< Home