21.10.08

Os enteados de Nobel

Por Nuno Crato
ALFRED BERNHARD Nobel (1833 –1896) foi um químico sueco que fez uma fortuna com a invenção da dinamite e de outros explosivos. Na altura, usavam-se materiais muito sensíveis às oscilações de temperatura e de manuseamento muito delicado e perigoso. Nobel conseguiu embeber nitroglicerina, um explosivo poderoso e muito instável, numa substância terrosa inerte, uma espécie de areia fina. Com isso criou um material transportável com segurança e que mantinha a sua potência explosiva. Nobel inventou ainda um explosivo gelatinoso mais potente, a gelatinite e um conjunto de materiais similares. Fez uma fortuna e houve quem o acusasse de tirar lucros da morte dos outros.
(...)
Texto integral [aqui]

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger Táxi Pluvioso said...

Grande homem só foi pena ter instituído esse prémio político que enche vaidades humanas todos os anos.

22 de outubro de 2008 às 05:25  
Blogger Jorge Oliveira said...

Não aprecio muito a seguinte afirmação :

«Rejeitar os modelos formalizados porque não conseguem prever o que é, por natureza, imprevisível, não passa de um retrocesso obscurantista. Afinal, também é a Matemática, talvez mais pela teoria das probabilidades do que pela teoria do caos, que ajuda a perceber os fenómenos imprevisíveis.»

É com base numa ideia parecida que os alarmistas do global warming antropogénico dizem que existe uma probabilidade de não-sei-quantos-por-cento de terem razão...

22 de outubro de 2008 às 11:55  

Publicar um comentário

<< Home