17.2.09

Eis o que me irrita em Pedro Passos Coelho

Por João Miguel Tavares
EU APRECIO A FORMA como Pedro Passos Coelho conquistou o seu espaço no PSD e na comunicação social, com um tom civilizado, um discurso articulado, uma presença aprumada e uma atitude que poderemos definir como "eu sei que vou ser líder do PSD, só não sei é quando". Há pouco mais de um ano, Passos Coelho era um sério candidato a aparecer no Perdidos & Achados da SIC. Hoje, é um sério candidato a ser o José Sócrates da direita (não é uma ofensa, juro). (...)
Texto integral [aqui]
NOTA (CMR): em colaboração com o autor da crónica, aqui fica o seguinte passatempo com prémio:
Se fosse necessário escolher um sub-título para esta crónica, mas só podendo optar por um dos que seguidamente se indicam, qual seria o mais indicado - e porquê? - «Destino Pesadelo», «O Burocrata, a Burrinha…», «Manuela, a Marechala...», «Os Incendiários...», «O Santo em Acção», «Setas contra Barões», «Pequenos Assassinos», «O Preço da Incompetência», «As Boas Consciências», «O Jogador», «Cândido», «O Terceiro Homem», «O Pequeno Herói», «Ficções», «O Profeta», «Manual do Líder». Como já se percebeu, o autor da melhor resposta receberá o livro que indicar. O passatempo termina às 20h de 19 Fev 09.
Actualização (19 Fev 09/21h45m): a opinião do júri (que incluiu o autor da crónica) decidiu premiar Mg e Teófilo M, que têm agora 48h para escreverem para sorumbatico@iol.pt indicando morada.

Etiquetas:

10 Comments:

Blogger Táxi Pluvioso said...

Venha ele, o povo precisa de sebastiões e sebastianas que de santos vamos ficando servidos.

17 de fevereiro de 2009 às 14:31  
Blogger Pedro said...

O Preço da Incompetência
Passo a explicar este senhor Pedro Passos Coelho tem tido um percurso pela politica invejavel mas nunca chegou ao lugar de topo.
Vejamos em 2005 foi eleito vice presidente do PSD na direcção de Luis Marques Mendes tendo se demitido em 2006 este é o exemplo que os militantes nunca terão confiança neste homem que ao minimo problema abandona o barco.
É um homem que quando chega a hora da verdade a sua incompetencia fala mais alto.
Disso já temos muito em Portugal.

17 de fevereiro de 2009 às 16:11  
Blogger Vanessa Casais said...

«O profeta» é sem dúvida o sub-título que melhor veste esta crónica. Não se irrite João Miguel Tavares, não vale a pena, pois cabe a quem profetiza não falar com clareza nem ser original, seja a profecia sobre o fim do mundo ou sobre o fim da presidência de um partido. Há que fazer dela um mantra, um refrão que ao repetir várias vezes à laia de música pimba, não saia da cabeça e se acabe por fixar. Um chavão que ao que parece já começou a sortir efeito. Na prática a verdadeira profecia não é limitada a um espaço temporal, acontecerá como a promessas do Czar, amanhã. Deve ser por isso encarado com naturalidade o comportamento de Pedro Passos Coelho que sabe que vai ser líder do PSD, só não sabe quando.

17 de fevereiro de 2009 às 22:36  
Blogger MTeresa said...

Para mim o melhor sub-título para esta crónica é "O Santo", pois estamos perante uma situação em que Pedro Passos Coelho quer dar um empurrãozinho a Manuela Ferreira Leite para ela cair no habismo, mas não quer que se veja que foi ele que a empurrou!! Assim Pedro Passos Coelho podia candidatar-se a líder sem ter o peso de ter contribuído para a queda da antecessora! "Culpado, eu, por Manuela Ferreira Leite se ter demitido?? Então não viram que eu não fiz nada?!" Que santinho este nos saiu!!!

18 de fevereiro de 2009 às 10:23  
Blogger lino said...

"Pequenos Assassinos"

18 de fevereiro de 2009 às 18:44  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Lino,

O passatempo é de pergunta dupla:

«Qual o título? / Porquê?»

18 de fevereiro de 2009 às 18:47  
Blogger Carlos Antunes said...

Pequenos Assassinos

Num processo sem descanso matam o líder, o partido, a si mesmos, a democracia de um país, sem capacidade de olharem para a "bigger picture" onde estariam protegidos.
Num processo sem descanso levam uma vida de aparente pureza com um pano fundo onde ganham a vida sem julgamento moral e com prejuízo para todos os que os rodeiam.
Num processo sem descanso, por mais que queiram, nunca serão mais do que peões anónimos que subsistem até serem esmagados pelos que têm verdadeiro poder e deles se fartam...
A sua pequenez é a causa da sua ineficácia final que só tem comparação com as suas (des)ilusões de grandeza!
Pequenos assassinos de si mesmos, pois claro!

19 de fevereiro de 2009 às 10:54  
Blogger Maria said...

Cá para mim seria mais 'destino pesadelo' porque convenhamos da maneira que a nossa politica anda não me cheira que o P P Coelho tenha mão firme para dirigir como deve ser um partido e assim sendo será um grande pesadelo para nós tê-lo como lider de um partido

19 de fevereiro de 2009 às 11:54  
Blogger Teófilo M. said...

Eu, cá por mim, optaria pelo Pequenos Assasinos, pois assenta-lhe que nem uma luva.

O rapaz até é simpático, calmo q.b., frio, calculista, é o exemplo acabado dum profissional da política.

Iniciado aos treze anos, na JSD, aos vinte e um já tinha assento na CPN do mesmo partido.

Mas quem é este ilustre personagem que se move nas antecâmaras do poder, cujas palavras são transmitidas até à exaustão por um afinado coro de gente dos jornais e revistas, e que aparece com uma candura e juventude suficientes para fazer apaixonar o mais empedernido dos desconfiados?

Nada se conhece do seu pensamento sobre a governação, tirando uns palpites que dá oportuna e criteriosamente propagandeados.

Nunca lhe ouvimos uma palavra de louvor àcerca de ninguém, mas também não lhe vemos nenhuma oposição frontal seja ao que for, dentro do partido.

Numa época em que a comunicação é a chave do conhecimento, não se encontra um sítio onde esteja descrito o seu percurso real, ou ele exponha as suas ideias.

Ele é apenas uma eminência parda que deambula pelos corredores, agitando os conjurados que matarão por ele, mas nunca em nome dele.

São estes assassinos os piores, os que não mancham as mãos.

19 de fevereiro de 2009 às 17:23  
Blogger Mg said...

"Setas contra Barões", embora esteja tentado a substituir o termo "setas" por "tiros".

Senão vejamos:
Desde que Durão Barroso foi (uns dizem que a fugir de eventuais "tiros" que poderiam vir a ser disparados, outros, que foi com espirito de missão) para a Comissão Europeia, parece que nenhum lider parece servir para a Presidência do Partido.

Santana Lopes mostrou não precisar de ninguem e foi capaz de, sozinho, dar vários tiros no proprio pé.

Marques Mendes "porque não se percebe bem o que quer dizer", "porque a mensagem não passa", "porque é assim pró baixote e isso dá mau aspecto", não servia.
Tiro nele!

Menezes, porque falava de mais, porque se expunha demasiado na Comunicação Social, porque falava por tudo e por nada, quando devia falar e quando devia estar calado, também não servia.
Tiro nele!

Ferreira Leite, porque se descobriu que, afinal, perdeu a lingua e, quem sabe, contraiu uma doença exótica que lhe causa grave reacção alérgica quando exposta a câmaras de televisão ou microfones da rádio, também (parece..) não serve.

Para já, tem sido atacada apenas à moda antiga: com fisgas e pistolas de chumbos.

Mas as armas de fogo já estão carregadas e empunhadas por atiradores que apenas esperam pela altura propicia para o tiro certeiro!

E é pena porque uma Nação precisa tanto de um bom Governo como de uma boa oposição. Veremos o que os próximos tempos nos reservam...

19 de fevereiro de 2009 às 19:57  

Publicar um comentário

<< Home