28.3.10

Privatizar os CTT?

Por João Duque

NA MINHA INFÂNCIA a figura do “cavalinho” era uma imagem fortíssima no reino da comunicação em Portugal.
À porta de um qualquer posto de venda de selos, no dorso de um marco, impresso numa das mais duráveis edições de selos de correio, lá estava a imagem de um cavaleiro a tocar uma corneta enquanto montava um cavalinho a galope.

Durante décadas habituámo-nos. Era assim. A correspondência postal era "A Correspondência". Primeiro não havia telefone, mas depois, logo percebemos que, palavras, o vento as leva, e que nada há como a escrita para uma missiva, um contrato, ou uma jura, mesmo que se trate de Homem que diz que palavra sua não volta atrás... (...)

Texto integral [aqui]

Etiquetas:

10 Comments:

Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

O final da crónica diz tudo:

O mal (em si mesmo) não é vender os CTT.
O mal é termos chegado ao ponto de ter de vender os CTT...

28 de março de 2010 às 10:59  
Blogger Manuel Brás said...

... como um dos últimos aneis

O cavalinho montado
num galope vigoroso,
um destino encartado
por um selo valoroso.

É do grande valor postal
em lugares apartados
que se torna fundamental
os correios acertados.

Um país bem retratado
numa transacção tão venal
de quem tem desbaratado
a riqueza nacional.

28 de março de 2010 às 12:11  
Blogger GMaciel said...

Eu salientaria um pouco mais da frase, assim:
"descobrindo até que ponto nos levaram à ruína, para termos de vender os CTT"

Porque descobrimos que somos governados por incompetentes há décadas. O mais inverosímil, ainda há muita gente que o não percebeu ou, mais grave, não quer perceber.

28 de março de 2010 às 16:02  
Blogger Catarina said...

Este comentário foi removido pelo autor.

28 de março de 2010 às 16:53  
Blogger Catarina said...

Este comentário foi removido pelo autor.

28 de março de 2010 às 16:55  
Blogger Catarina said...

Tem toda a razão, Gmaciel.
Essa apatia é tão frustrante! As pessoas falam, falam e tornam a falar ... mas não fazem nada!
Tenho uma pessoa amiga que desde sempre gostou de criticar tudo e todos. Para ela nada está certo, nunca ninguém tem razão! Mas também raramente tem uma solução e pouco faz para fazer uma diferença positiva! Não tenho mais paciência para este tipo de atitude.

28 de março de 2010 às 16:58  
Blogger GMaciel said...

Catarina, acho que o seu computador está a fazer eco.

:)
;)

28 de março de 2010 às 18:46  
Blogger R. da Cunha said...

E a cartinha ou o vale da reforma ainda vão chegar àquela aldeia onde residem apenas 4 ou 5 velhinhos?

28 de março de 2010 às 19:09  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

A aldeia da minha mulher (Alvaiade) é na Beira Baixa.
Apesar de ser junto da A23, não tem uma farmácia, nem uma drogaria nem um posto dos CTT nem sequer uma ATM.

Tudo isso existe, sim, mas a 7 km de distância dali, em Vila Velha de Ródão.

Se agora já é assim, o que será quando a existência de correios estiver dependente do facto de as agências terem de dar lucro?

28 de março de 2010 às 19:22  
Blogger Catarina said...

Pois está.. e para além do eco não está a digitar lá muito bem! Farta-se de cometer erros.. ou troca o feminino pela masculino, ou omite palavras.. enfim, está a precisar de reforma! : )

28 de março de 2010 às 19:54  

Publicar um comentário

<< Home