14.7.13

"Fiesta" no sofá

Por Ferreira Fernandes
HEMINGWAY foi às festas de San Fermin, em Pamplona, pela primeira vez em 1923. Ainda iria mais nove vezes, e no ano em que se matou, 1961, telefonou a desmarcar o quarto. Nos últimos anos, este era sempre o 217, no La Perla Hotel, e era da janela do segundo andar que ele via os touros a correr pela ruas da capital navarra, até à praça. Na década de 20 e 30, também não era aficionado de correr com 600 quilos do touro nas costas, apesar do seu jornal, o Toronto Star, ter feito título, em 1924, com ele ferido nas San Fermin, o que era falso. Em Pamplona, ele inspirou-se para o romance Fiesta e para o ensaio Morte à Tarde sobre o toureio. Sobre rituais, paixão e valentia. Noventa anos depois desse fascínio, o talento de Hemingway ainda nos agarra quando escreve sobre um assunto que a tantos deixa indiferente e a cada vez mais repugna. Não deixa é de ser irónico que milhões, hoje, possam ver a largada de touros de San Fermin com a minúcia que Hemingway não teve. Recorrendo aos vídeos dos jornais espanhóis, seguimos, do sofá, cada segundo dos quatros minutos do encierro que as diversas manadas levam a percorrer 800 metros de três ruas de Pamplona. Vemos o pormenor de um corno entrar na coxa de um jovem. Vemos a multidão cair à entrada da praça, enrodilhar-se na fuga e ser atropelada por bestas. E revemos quantas vezes quisermos. Não deixa de ser irónico que um ritual obscuro nos lembre que vamos ficando mais poderosos e sabedores. 
«DN» de 14 Jul 13

Etiquetas: ,

1 Comments:

Blogger José Batista said...

Uma festa que não compreendo e de que não gosto, talvez por não conseguir compreender...
E que me deixa a pensar sobre a natureza (insondável, misteriosa...) do ser humano.

Como não percebo o interesse por um "desporto" (?) como o boxe.

Depois, quando vejo que pessoas como Hemingway (o que chorei a ler "o velho e o mar"...) apreciavam as "touradas" de S. Fermim, ou que nosso Manuel da Fonseca apreciava o boxe, sinto-me algo perplexo.

E insisto em dizer que não compreendo. Mas, faz tempo, dei comigo a perguntar-me: será que compreendo (muito) bem?...

Vamos mesmo ficando mais sabedores?
E se fosse possível acreditar que vamos ficando melhores?
E... é isto.

14 de julho de 2013 às 19:12  

Publicar um comentário

<< Home