5.4.19

Que ganhe o melhor...

Por Joaquim Letria
Já aqui escrevi que gosto muito de futebol. Gostarei sempre. Mas ao cabo de todos estes anos de vida, ainda me surpreende as paixões que o futebol desperta e a falta de razão que os sentimentos que desperta podem fazer irromper em muita gente e, em particular, naqueles em quem não esperávamos semelhantes excessos.
Escrevo isto a propósito do que ouvi e li sobre a Selecção Nacional, embaraçada com dois empates que tanto podiam não suceder como acontecer, tal como se verificou. Muitas das frases que ouvi e li ora são lamentáveis, ora são divertidas.
É o seleccionador que está ultrapassado, que é muito conservador, que é tão religioso que mais valia ter ido rezar a Fátima, que não tem tempo para treinar, que não conhece os novos valores, que os troca de posição, que no banco não reage à tática oposta que se nenhum clube já o quer como pode servir na Selecção Nacional, ele que foi campeão da Europa por mero acaso.
A culpa também foi do Cristiano Ronaldo. Porque fica à espera que lhe dêem a papinha, que não se esforça, que está velho, que tem milhões a mais, que julga ser o patrão da equipa, que não obedece ao seleccionador, que estraga a tática do treinador, que é egoísta e mimado, que não passa a bola, que já devia estar no banco.
Bom, e ir buscar um brasileiro ao Braga é de perder a cabeça! Como é possível? Já o Pepe, outro brasileiro, ser o capitão substituto é um escândalo. E o Bruno Silva? Esse é bom mas só quando joga com o Guardiola, que sabe tirar partido dele e o Pizzi e o Ruben Dias mais o Rafa Silva, só há jogadores do Benfica!? O Bruno Fernandes era bom mesmo coxo e não o puseram...
Mas o escândalo maior foi a selecção fazer os dois jogos no Estádio da Luz! Assim se vê como o Benfica domina o futebol nacional. Então Alvalade e o Dragão não são também Portugal?!
Noventa por cento do que aqui reproduzo foi ouvido na Rádio e na TV. Nem uma palavra acerca da Ucrânia ser uma equipa mediana mas compacta e muito bem organizada pelo Sevchenko e com o guarda-redes Pyatov que hoje será sem dúvida um dos melhores do Mundo, que não ficaria atrás do Yashin e que por três vezes, pelo menos, negou o golo a Portugal. Muito interessante, aliás, o duelo entre ele e Cristiano Ronaldo.
E também não escutei comentário ao facto de termos empatado com a Sérvia mas também poderíamos ter perdido, face àquela equipa rapidíssima no contra-ataque e com excelentes jogadores, alguns dos quais, de resto, a jogarem nas melhores equipas de clubes da Europa.
Para que terá andado o meu pai a ensinar-me que deve ganhar o melhor? Agora o que conta é ganhar na secretaria por causa dum brasileiro mal inscrito na Ucrânia e se possível a UEFA nos compensar pelos penaltis que o árbitro não marcou contra a Sérvia.
Publicado no Minho Digital

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger José Batista said...

A mais lúcida análise sobre futebol de que tive conhecimento há longo tempo. E nem o facto de ter deixado de ouvir e de ler matéria de futebol desde há muito, com excepção de um ou outro título ou pequeno comentário, diminui a meus olhos a qualidade e sensatez do que Letria escreve.

5 de abril de 2019 às 21:36  
Anonymous Anónimo said...

Fala-se tanto, para dizer tão pouco.
Ribas.

8 de abril de 2019 às 01:16  

Publicar um comentário

<< Home