10.5.08

8 de Maio de 2008
«Quando, já há bastante tempo, apareceram na imprensa fotos semelhantes a estas (acompanhadas dos correspondentes protestos), pensei - ingenuamente - que alguém, responsável, se envergonharia e trataria do assunto. Nada disso! E como, no que toca a reparar esta desgraça, aqui ninguém mexe, a situação piora de dia para dia. Não me esquecei disso quando, daqui a uns meses, vierem pedir o meu o voto...» - Comentário de um munícipe de (...) que há muito perdeu as ilusões.
*
Será enviado um exemplar do livro «Aqui ninguém mexe» (de Christian Neels, Ed. da Temas e Debates) ao primeiro leitor que fizer uma de duas coisas:
Ou identificar o local onde estas fotografias foram tiradas ou comentar o que elas testemunham recorrendo a - no máximo - 10 palavras.
Na segunda opção, expressões como 'pouca-vergonha', 'má-fé', 'tropa-fandanga' etc. contam como uma só palavra; mas 'súcia-de-incompetentes' conta como três.
Actualização-1: a resposta certa foi dada às 16h36m.
Actualização-2: o passatempo continua, com um prémio adicional a atribuir ao primeiro leitor que, a partir das 17h30m, comentar as imagens nos moldes atrás indicados; ou seja: recorrendo a um máximo de 10 palavras. Tendo em conta que se trata de uma zona que, suponho, está ao cuidado do vereador José Sá Fernandes, o prémio será um exemplar do livro «O Fado de José», de Chantal Crétois - embora, na realidade, o que está em causa seja o fado dos munícipes...
Actualização-3: com o comentário das 18h54m terminou a 2ª e última parte do passatempo.

Etiquetas: ,

10 Comments:

Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Os leitores que pretendam concorrer ao passatempo identificando o local, deverão fazê-lo com uma única resposta em cada comentário.

Essa resposta não deverá ser dada na forma interrogativa.

10 de maio de 2008 às 14:43  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Como as respostas estão demoradas, aqui fica uma 'dica' que, ao mesmo tempo, faz pensar:

O local retratado não é acessível a carros (muito menos a camionetas), o que poderia explicar (embora sem desculpar) a sucessiva quebra das lages - que, aliás, são de pedra!.

10 de maio de 2008 às 14:47  
Blogger Mendonça said...

Aqui vai um palpite:

Parque Eduardo VII, em Lisboa, junto à Rotunda do Marquês de Pombal.

10 de maio de 2008 às 16:15  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Errado.

10 de maio de 2008 às 16:16  
Blogger Luis Bonito said...

No Campo Pequeno.

10 de maio de 2008 às 16:36  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Certo.

Todo este arranjo (à volta da Praça de Touros) é novo e já está no estado que se vê.

O espantoso, além da incúria, é o ar natural com que as pessoas passam por aquilo e já nem se espantam.

Há uma ideia geral de que "não há nada a fazer", de que "eles, uma vez eleitos, são todos iguais".

--

Vou prolongar este passatempo com uma 2ª parte. Até já.

10 de maio de 2008 às 16:44  
Blogger R. da Cunha said...

Não se tratará de uma nova entrada para o Metro, mas embargada pelo Zé?

10 de maio de 2008 às 18:16  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

R. da Cunha,

O comentário é pertinente, mas não pode ser considerado para efeitos de prémio porque tem mais de 10 palavras.

10 de maio de 2008 às 18:19  
Blogger R. da Cunha said...

O objectivo nem era concorrer ao prémio, mas sendo assim, aí vai:
Nova entrada para o Metro, embargada pelo Zé.

10 de maio de 2008 às 18:54  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

Aceite!

O passatempo terminou.

10 de maio de 2008 às 18:58  

Enviar um comentário

<< Home