27.9.08

O suicídio dos polícias

Por Joaquim Letria
TRÊS MILITARES DA GNR e um agente da PSP suicidaram-se no espaço de cinco dias em diferentes pontos do País. O mais novo tinha 26 anos, o mais velho 33.
Alguma coisa não está bem na vida profissional dos milhares de profissionais destas forças de segurança para semelhantes actos sucederem a este ritmo e nesta proporção, já que é difícil acreditar nas justificações de “problemas passionais”. Também se desconhecem situações de dívidas e de crises familiares que chegassem ao ponto de levar homens feitos e profissionais experientes a atingirem o desespero de tão trágicos desfechos.
Nas forças de segurança, o apoio médico é insuficiente e o comando e organização terão de ser deficientes para se chegar a esta situação. Homens armados e em situações extremas não podem viver sem margem de confiança por quem deve ser protegido ou tem de ser combatido dentro da lei.
«24 Horas» de 26 de Setembro de 2008

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger Luis Bonito said...

E ao que parece (pelo menos ouvi na RTP um representante da profissão dizer) todos se suicidaram fardados.
Facto que parece também ter um significado.

27 de setembro de 2008 às 16:33  
Blogger Táxi Pluvioso said...

Claro. Parece que não chega, encher de porrada os criminosos, nas esquadras. Era e é uma boa terapia diária mas os tempos exigem mais. Os impostos devem ser aumentados para lhes dar férias e objectos que fazem a vida mais agradável.

Como foi frustante o caso Maddie? Não puder encher de murros as trombas daqueles ingleses. Todo o povo se sentiu traído. O desplante dos estranjas em perverter a nossa meneira de ser! Ainda hoje fico cheio de raiva. Imagino um polícia. Só lhe deve apetecer sacar da arma e desatar aos tiros.

Enquanto isso não sucede, as rusgas musculadas têm libertado a testosterona, mas o cidadão deve colaborar, indo voluntariamente às esquadras e permitindo que lhe passem a mão pelo pêlo.

28 de setembro de 2008 às 10:51  

Enviar um comentário

<< Home