20.11.08

Passatempo-relâmpago (com prémio)

O QUE AQUI se lê é um extracto do Editorial do Público de hoje. Será que as contas estão bem feitas?
Actualização: o passatempo terminou - ver comentários 1 e 3.

Etiquetas: ,

6 Comments:

Blogger Mr. Shankly said...

Estão mal feitas. Se produzimos 70% da média europeia, necessitamos de 1/0,7 =1,4285 (ou mais 42,85 % do tempo) para fazermos o tal parafuso.

20 de novembro de 2008 às 11:45  
Blogger Ana said...

As contas estão erradas.
Assim sendo necessitamos de mais 29,40% de tempo!

20 de novembro de 2008 às 12:01  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

De facto, o valor de 30% indicado no 2.º parágrafo do jornal está errado.

---

No 1.º parágrafo diz-se que, numa hora, os estrangeiros produzem 100 unidades enquanto os portugueses só produzem 70.

Assim, de quanto tempo precisam os portugueses para produzir as mesmas 100 unidades?

Uma "regra de três simples" dá:

70 unidades ... 1 hora
100 unidades ... x horas

x=100/70=1,4285 horas

Ou, por outras palavras:

«Um trabalhador português precisa de 42,85% mais de tempo».

________


Assim, Mr. Shankly vai receber um exemplar do livro «A Sétima Onda», recentemente chegado ao nosso armazém...

20 de novembro de 2008 às 12:14  
Blogger Marco said...

Continua a estar errado pois não é "média dos seus colegas europeus" mas sim a média de todos os países incluídos no estudo - incluí Portugal.
Como não sabemos se é a UE a 15 ou 25… mais minuto, menos minuto vamos deixar o português fazer um intervalo para ir à rua fumar um cigarrito.

20 de novembro de 2008 às 16:41  
Blogger R. da Cunha said...

Li o editorial e dei conta do erro. O mais estranho, para mim, é que creio que quem assina o artigo é o editor de economia do jornal.

20 de novembro de 2008 às 18:47  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

O erro mais frequente no que toca a percentagens são as reduções superiores a 100%.

Em tempos, referiu-se aqui que os números OFICIAIS de mortos nas estradas portuguesas indicavam que eles tinham baixado 300%!

Teríamos, então, "mortos negativos", como aqui se perguntou na altura?

Talvez, sim! Seriam "nascimentos"... nas ambulâncias!

20 de novembro de 2008 às 18:53  

Enviar um comentário

<< Home