10.1.11

Lisboa - Largo D. João da Câmara
MUITO se tem falado, ultimamente, daqueles organismos públicos que, recorrendo aos mais variados expedientes, se conseguem esquivar aos sacrifícios pedidos - que se diz serem para todos. Mas qual é o espanto? Então o aforismo que garante que "não há regra sem excepção" não é português?!

1 Comments:

Blogger José Batista said...

Pois, CRM

Os sacrifícios pedidos são para todos, os que não têm maneira de lhes escapar, que são aqueles (muitos) que estão em posição mais fraca.

Era isto que (todos) esperávamos...
Ou não era?
Podia ser de outro modo?

10 de janeiro de 2011 às 23:59  

Publicar um comentário

<< Home