12.9.12

A sexta-feira negra

Por Baptista-Bastos
NA ÚLTIMA sexta-feira, Pedro Passos Coelho fez a pública confissão da sua derrota. Um homem acabrunhado, curvado e antigo veio dizer-nos dos novos pesares que teríamos de suportar. O ambiente era denso, sépia e contrito. Ao lado, pendente e sem garbo, a bandeira portuguesa. Dezassete minutos durou a funesta declaração: mais impostos, mais retracção, mais subtracção de salários, mais infortúnio para os velhos, para os reformados, para os pensionistas. Enfim: os portugueses estão irremediavelmente condenados à pobreza, ao passado, à servidão sem mistério nem ambiguidade.
As causas da nossa infelicidade têm sido endossadas a outros. Quem trepa ao poder é imaculado, impoluto e virgem do mais escasso pecado. O caso vertente é uma melancólica repetição. Primeiro, Passos atacou Sócrates, com selvagem persistência; depois, foi-se à troika, e indicou-a como raiz de todos os nossos males; acabou por ultrapassá-la nas decisões; agora, coube a vez ao Tribunal Constitucional, que tentou, em vão, impedir a prática de um crime contra quem trabalha ou trabalhou. O coro de críticas contra o acórdão pertence, ele também, a uma estratégia simbólica de defrontar seja quem se opuser ao Governo. Esta cultura caótica não é casual: faz parte da dispersão do nosso civismo, que permite a impunidade a todos os cambalachos morais.
O certo é que o dr. Passos Coelho e os seus estão metidos numa embrulhada fatal. Além das mentiras graves e das omissões patéticas a que se habituaram, enfiaram o dr. Cavaco, seu aliado preferencial, numa camisa de onze varas. O homem não pode continuar em mutismo formal. As pressões para que interfira não caucionam nenhuma daquelas ambiguidades em que é obstinado. Acontece um porém: se o dr. Cavaco veta ou se opõe às disposições do dr. Passos, a este não resta senão demitir-se. O que parece estar longe dos seus propósitos. Então, que fazer?
As pesarosas explicações do dr. Passos no Facebook acirraram, ainda mais, os rancores, os ressentimentos e, até, os ódios. O documento é torpe nos objectivos, medíocre na gramática e absurdo nos princípios. A manifestação do dia 15, promovida na Internet, sustenta-se nesses desígnios emocionais. Cego, cego, e surdo, surdo, o dr. Passos presume ter criado um valor intrínseco, e favoravelmente contagioso. As recentes declarações do dr. Nuno Crato, cujas tropelias na Educação não se esgotam, são disso exemplo. Quando diz que os professores não irão para a rua protestar, ou confia no medo tornado endémico ou numa salvífica expressão de complacência para com a sua política.
Seja como for, penso que está a encerrar um ciclo, e dos mais agressivos, medíocres e perigosos na sociedade portuguesa. Nada pode preservar da condenação esta gente que se mobilou a si própria com sobranceria e desprezo. Esta gente de coração de gelo.
«DN» de 12 Set 12

Etiquetas:

5 Comments:

Blogger É a hora de escolher o passado? Eu cá gosto deste bem passado do que o outro en sangue said...

Um crime contra quem trabalha ou trabalhou

Não há crime contra quem desconta ou descontou?

Mesmo que descontasse em cheques carecas ou em aivecas?

O crime é algo assaz relativo

Impediu o tribunal um crime contra os senhorios dos vazios e decadentes passados em tijolados e tijoladas?

Impediu um crime contra uma agricultura do passado povoada por velhos em empobrecimento permanente?

Impediu o crime do secretismo existente em todas as esferas do que devia ser público?

bom esferas é exagero o púbico é mais planar ou pontual por vezes

12 de setembro de 2012 às 22:14  
Blogger É a hora de escolher o passado? Eu cá gosto deste bem passado do que o outro en sangue said...

Até posso compreender que quem teve direitos adquiridos à custa de uma massa de contribuintes com menos direitos pense haver crime e roubo e outras importações do linguajar da via única para o socialismo.

O corte deve-se ao vosso primeiro ter perdido as batalhas permanentes que o filósofo exilado em Paris se propunha vencer?

Quando Crato diz que os professores não irão para a rua protestar, não devem ir porque 50 mil desempregados há já 7 anos, com um sub-emprego médio de 20 a 80 dias por ano, não tem já dinheiro para ir protestar a Lisboa ou Porto.

12 de setembro de 2012 às 22:21  
Blogger Mais vale presente bem passado do que passado en sangue said...

E se não acredita vá à escola que tem o nome de José Ferreira Gomes, que abriu concurso de escola por entrevista, das centenas de desesperados de há uma semana atrás
que vieram em busca de um horário de 8 ou 12 horas semanais.
Nesta semanita nem meia-dúzia chega e vós estais no berço do professorado a contrato, com quase um terço do total se juntarmos o deserto da outra margem.

Resumindo: Estamos fartinhos de ir às escolas protestar os desmandos das direcções e directores que colocam quem querem e lhes apetece.

se já nem respondem às reclamações que são de lei...

íamos reclamar para a porta do ministério para quê?

não somos sindicalizados na nossa maioria, nem os do quadro são

e o quadro já se manifestou há uns anos, já tirou a raivinha dos dentes do sistema

E adesculpe o senhor doutor, mas em 1993 desvalorizou-se o escudo alargou-se a banda de flutuação para os 15% e ninguém piou grande coisa

É verdade que houve gente que confiou o dinheiro ao estado 11% dele durante 30 ou mais anos.

Ou seja deram dinheiro que com uma capitalização de 3% ao ano (e é verdade que houve maiores e também é verdade que houve menos descontos em outras eras) daria uns 9 a 10 anos potenciais de reforma

Se não se tivessem reformado no último escalão profissional e tivessem descontado durante os anos 60,70 e 80 muito menos do que nos anos do que se reformaram.

Quem era grego e investiu em obrigações do tesouro grego perdeu muito mais, ou os islandeses que perderam mais de metade das suas reformas.

vá perguntar aos filhos dos reformados que aqui estão...

perder direitos todos perdem
com o tempo

eu perdi o direito a uma perna e a um emprego

ganhei o direito a pagar mais impostos como os demais...

é um péssimo caminho?
certamente

mas prepara o pessoal para um futuro muito mais negro daqui a uns anos

mas por muito negro que seja
acho que nem a 1988 chega
quanto mais a 1981 ou 1970..e picos

em 1982 a electricidade nem tinha chegado à serra
e até 1992 a água vinha do poço
em 1969 nem estrada havia para os bombeiros apagarem o fogo

por acaso os voluntários de são brás são de 1939 em 69 tinham 30 anos mas não tinham estrada para chegar à serra

logo essa sexta feira negra
nunca ficará tão negra como outras sextas feiras

12 de setembro de 2012 às 23:01  
Blogger asmoddeux said...

Não percebi se o senhor, tal como Manuela Ferreira Leite pertencem a esse clube exclusivo de reformados descontadores impolutos e confiadores no estado como gestor, que aparentemente pagam 70% de impostos sobre as suas reformas duramente ganhas.

Se pertence meus parabéns,os da caixa de previdência dos homens de leis aparentemente são ineptos em termos legais:

Artigo 115.º-A
(Inscrições extraordinárias)
1 – Até ao fim do ano de 1994, os
beneficiários, independentemente da
idade, poderão optar livremente, entre
todos os previstos, pelo escalão de
remuneração convencional para base de
incidência das contribuições a vigorar
durante o ano de 1995.
2 – No ano de 1996 e seguintes o
escalão de remuneração só poderá ser o
que decorrer da sua escolha nos termos
do artigo 72.º
* Artigo 115.º-B
(Taxa de contribuições)
A taxa de contribuições será de 14%
em 1995 e de 16% em 1996.

13 de setembro de 2012 às 01:41  
Blogger As Gorduras não são números, são pessoas e pessoas heavy fat said...

baptista grega cópia triste

senhor da pétrea muralha

tu que és tudo quanto existe

neste país que é mortalha


nenhuma dúvida subsiste

ó mente lassa feita de crivos

tu punho de pena em riste

que no nada nos enterraste vivos


tuas certezas não têm espaços

em teu crânio fria lousa

os ganhos são sempre escassos

as perdas são outra cousa


em má grammathica automathica

14 de setembro de 2012 às 14:54  

Enviar um comentário

<< Home