28.11.15

Ameaça em vão

Por Antunes Ferreira
O discurso agressivo e ameaçador de C. Silva na posse do Governo chefiado por António Costa veio demonstrar o que já se sabia, mas que, alguns cidadãos pretendiam esconder , especialmente os de cor laranja.  É um mau PR, mas também é um PR mau. É vingativo, é arrogante, é empertigado, é inculto e é pesporrente; são estas as “qualidades” que tem entre várias outras. É o pior Presidente desde o 25 de Abril; considero que ao pé dele o almirante Tomás era um anjinho com asas nas costas

É bom recordar o escândalo do PBN em que C. Silva tinha acções bem como sua filha, em que a venda das mesmas antecedeu por horas a privatização do Banco. Alguém o informou. Terá sido Oliveira e Costa que entretanto se demitira de presidente da instituição bancária que ele próprio fundara. Oliveira e Costa, militante do PSD, fora Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais no X Governo  Constitucional chefiado por… C. Silva? Coincidência?

Foi nessa altura que proferiu a frase que foi motivo de galhofa por todo o País: “para ser mais honesto do que eu, um homem tem de nascer duas vezes!” Ginecologistas ficaram abismados – nascer duas vezes? Nem o próprio Cristo cometera tal pecado por impossibilidade. Mas C. Silva não se incomodou, pois sempre resistira a qualquer pressão, viesse ele donde viesse. Um homem tinha de nascer duas vezes, acentuara, sob o olhar ternurento da dona Maria, sua esposa. Só não disse “e o resto são tretas”.


Um sujeito destes é perigoso. É o principal culpado pelo país ter chegado ao lastimoso estado em que se encontra. Mas, como a memória dos homens é curta, relembro que foi ele que ordenou aos pescadores para afundarem os barcos e aos agricultores que arrancassem as videiras pois só assim a então Comissão Europeia poderia abrir as portas para subsidiar tal disparate. Foi a altura em que se dizia que os felizardos que tinham cumprido a imposição andavam nos jipes da CEE…Mas sua excelência não se ficaria por aqui. A ordem ocorrera enquanto era chefe do Gorno; depois logo se veria.
Como Presidente da República (???)  considerou que a economia portuguesa devia passar  pela pesca e pela agricultura. O homem esquecera-se do que tinha afirmado, mas se lho lembrassem tinha sempre à mão de semear a dicotomia “primeiro-ministro” / “chefe do Estado”. De tantas vezes repetida uma mentira (em linguagem politicamente correcta inverdade) torna-se verdade. Mas ninguém era tão honesto…
O anedotário nacional em que nós os Portugueses somos especialistas, registou algumas expressos do mandatário (só para lembrar o “façarei”, “nunca fiz, não faço nem façarei”. Ou a afirmação de que as vacas nos Açores sorriam da felicidade. E muitas outras mais). Por isso disse-se que C. Silva estava com  Alzheimer; não estava, estava sim, como sempre esteve, mau como as cobras. Para quê doença? Não era necessário que fosse a desgraçada Alzheimer, se já tinha a da maldade.
Foi este sujeito que no seu discurso no palácio da Ajuda ameaçou dissolver o Governo de António Costa, mas a que este respondeu com luva branca, ao contrário de C. Silva. Para esclarecer o imbróglio o antigo Presidente da República Jorge Sampaio defendeu na passada quinta-feira ,  que o novo executivo fosse para uma legislatura, e considerou "muito difícil utilizar com razoabilidade" o poder presidencial de demissão do Governo porque a responsabilidade política deste é perante o Parlamento, não sendo por acaso que nunca tivesse sido. Utilizado.
Mas disse ainda que "demitir o Governo não faz parte dos poderes normais do Presidente da República a partir da revisão constitucional de 1982" e que "é muito difícil de utilizar com razoabilidade", "O poder de responsabilidade política do Governo é perante a Assembleia da República, isso para mim hoje é indiscutível", sublinhou ainda, porém escusou-se a comentar em concreto o discurso de quinta-feira de Cavaco Silva, que deixou esse aviso ao Governo de António Costa.
Porém acentuou que "já vai sendo tempo, tantos anos depois, das pessoas perceberem" que só em condições especiais para "salvaguarda do funcionamento das instituições democráticas é que se pode demitir o Governo", sendo preciso reunir condições como ter "a certeza que a crise é gravíssima e quando houver solução para que essa crise seja resolvida". Costa dever ter aplaudido estas afirmações. Pelo contrário, C. Silva de ter ficado embatucado.

Na verdade, já é tempo de nos vermos livres esta aberrante criatura. Em Janeiro logo se verá quem virá a seguir; mas quem quer que seja será sempre melhor do que esta avantajem; pior é impossível.

Etiquetas:

7 Comments:

Blogger opjj said...

Perigoso é você e gente da sua laia.Costa amém, perigosíssimo, pois foi o 2º da falência do país.Veja o discurso de Sampaio contra Santana.
O mal de CAVACO foi ser um anjinho e deixou Sócrates e COsta afundarem o país. Não ouvi nunca a sua voz berrar contra tal.
Vê-se que é um mal formado e cheio de ódios.
Está tudo à espera de chapéu!
O discurso de COsta foi muito pior e um cego como você não viu toda aquela falta de berço.
Você vai ter tão vovarde como foi aquando de Sócrates e Costa.
Costa pode oferecer porque recebe os cofres cheios.
O que vejo em si é só rancores e ódios de quem espera uma esmola.
Passe bem

28 de novembro de 2015 às 09:05  
Blogger opjj said...

Você é um exímio mentiroso e um caluniador. É mentira que CAVACO tenha vendido horas antes como diz privatização (nacionalização). Prove com documentos nos jornais e blogues. Não se esconda atrás do resto do muro. Tenho um familiar que comprou acções depois e mais caras e ainda vendeu e ganhou dinheiro, embora pouco.
Prove com documentos, seja homenzinho.
Passe bem

28 de novembro de 2015 às 09:21  
Blogger Santos Dias said...

Meu caro Antunes Ferreira isto são coisas que se digam de um homem que nunca se engana e raramente tem duvidas?
Bom fim de semana.

28 de novembro de 2015 às 14:27  
Blogger JMG said...

A tese de Sampaio, se bem a entendo, é que o PR não pode demitir o governo, mas pode dissolver a Assembleia - que foi precisamente o que fez, quando esteve certo, pelas sondagens, que o seu partido ganharia as eleições. Ou seja, o Presidente não pode o menos mas pode o mais. Vinda de Sampaio, a opinião é, de certo modo, um progresso: normalmente limita-se a papaguear a banalidade progressista do tempo, desta vez atreveu-se a ter opinião própria e, fatalmente, asneou.

28 de novembro de 2015 às 14:36  
Blogger opjj said...

Estava em viagem e liguei-me à internet e li que os meus comentários iam ser eliminados.
Pergunto, não será muito mais grave e vergonhoso Ferreira Fernandes sem contraditório escrever 2 folhas a caluniar e a difamar o mais alto dignatário da Nação que foi a votos e ganhou 5 vezes? Mais, com muma mentira que espero prove com documentos. Chegamos á inversão de valores morais.
Para o ignorante Ferreira Fernandes, quando CAVACO saíu, o balanço líquido positivo eram 10% em 1995 o que nunca mais aconteceu.
Vejam o discurso de Sampaio e leiam os jornais quando demitiu SANTANA. Ainda hoje sinto vergonha como se trata um homem - 1º ministro.
Vejam as presidencias abertas de Soares.
CAVACO é um aprendiz.

28 de novembro de 2015 às 14:57  
Blogger opjj said...

Rectifico, Antunes Ferreira e não Ferreira Fernandes.

28 de novembro de 2015 às 15:00  
Blogger ilha da lua said...

Ao ler estes comentários, tive a certeza do que já há muito desconfiava...
Há tanto fanatismo político como futebolístico...
Talvez, opjj devesse fazer um exercício de distanciamento, a bem da democracia

28 de novembro de 2015 às 21:06  

Enviar um comentário

<< Home