26.12.15

Rans à Presidência

Por Antunes Ferreira
O folclore político português tem cenas de rir à gargalhada. Teria, aliás, se não fossem tão tristes e más. Os protagonistas, ou seja os chefes das bandas, são sempre os mesmos; no caso de eleições, o vira minhoto é quem manda:” ora agora viras tu, ora agora viro eu…” ou seja a ida às urnas é assim a modos do que diz o povo: “vira o disco e toca o mesmo…” E as promessas que os candidatos fazem (se forem cumpridas?) são iguais às voltas do vira “e torna a virar, as voltas do vira são boas de dar”.
Passado o Natal, com o tradicional bacalhau cozido com todos, com o peru recheado e assado no forno, com as filhós, o bolo-rei e as prendas possíveis, com a árvore (Made in China), com o presépio, aliás do mesmo local de produção, o pessoal vira-se para as presidenciais, porque as legislativas já eram, porque o Governo de António Costa já mexe, porque sim. Para as quais, candidatos são o que não falta; qualquer deles tendo obrigatoriamente o destino traçado: ser melhor do que Cavaco Silva – o que é facílimo.
O próprio Ano Novo que, de fralda descartável e chupeta, se prepara para empurrar para a terra do nunca mais um 2015 caquéctico, em cadeirinha de rodas e garrafa de oxigénio, não fora essa missão de cumprir os seus 365 dias, também se canditaria à Presidência da República. Vejamos: se já temos uma Belém candidata a Belém, por que bulas o Ano Novo não poderia fazer parte da pole position? A corrida não é dominada pelo apartheid, que se saiba.
Na quarta-feira, aconteceu o inevitável: Vitorino Silva, o calceteiro do Porto, é o novo concorrente. Excelente, mais uma, menos um, sempre cabem todos. Mas quem é este cidadão? Vitorino Francisco da Rocha e Silva nasceu em 1971 na terra pela qual ficou conhecido, Rans. Tornou-se célebre durante um congresso do Partido Socialista com um discurso inusitado. Tino de Rans já foi presidente da Junta de freguesia de Rans, participou no reality show Big Brother VIP, o terceiro da série produzida e apresentada por Teresa Guilherme. Do seu volumoso currículo ainda consta que tem músicas e livros editados. Assumiu um objectivo: pôr o povo a sorrir, ou seja devolver a alegria à plebe. Isto porque os Portugueses andam tristes.
Pudera não, depois de quatro anos de crise e de austeridade e do conluio entre Cavaco, Passos Coelho e Portas, em que a principal actividade foi varrer o que estava – e está – mal para baixo do tapete, haveria sujeitos que andassem alegres?… E, pelos vistos, a procissão ainda nem chegou ao adro. O Governo do PS, com o apoio parlamentar (?) do BE e do PCP, tem pela frente muitos tapetes e muita porcaria.
Porém, isso não impede de registar (e de aplaudir) a candidatura de Tino de Rans que, no acto de apresentação das listas de apoiantes acentuou que tinha “muito respeito por quem assinou por mim neste percurso porque o terreno foi duro mas tenho a certeza que é no terreno mais duro que nasce o melhor néctar” e ainda que "quando nas sondagens falam de dois ou três candidatos e chamam 'outros' aos outros fico triste porque eu não me chamo 'outro'. Tenho nome, tenho dignidade", disse, sublinhando que até ao momento "ninguém teve um voto".
Aí, seu Tino, a sua candidatura é de homem, tal como as restantes, só com uma excepção: a Dr.ª Maria de Belém.

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger opjj said...

Tem obcessão por CAVACO e pela super estela Costa. Vá esperando sentado e ponha o contador em 500.000-1=499.999 (desconta o 1º emigrado entrado o ministro da educação) emigrados com bons salários e bons empregos.
Em Novembro com governo Costa houve mais 69.000 desempregados.
Não se esqueça, sempre que chegar Á noite carregue no botão que a mágica funciona na sua obcecada cabeça.
Boas Festas para si que bem merece.

26 de dezembro de 2015 às 18:42  
Blogger Bmonteiro said...

Putas ao poder, já que com os filhos não resultou.

27 de dezembro de 2015 às 18:36  

Publicar um comentário

<< Home