19.12.15

Quase um conto de Natal

Por Antunes Ferreira
Pelo sim, pelo não, quero deixar aqui uma decisão irrevogável: este comentário é o último que escrevo… antes do Natal. Claro que estes irrevogáveis costumam ser a prazo. Do tipo cada vez mais utilizado pelas crianças: pai, ou dás-me uma playStaiton VR ou chumbo no exame do sexto ano; é uma decisão irrevogável. Há quem lhe chame chantagem, mas isso é outra estória porque esta é pré-natalícia e a outra (qual?) é uma estória cor de burro quando foge.
O dito Natal já está ali à esquina, com o trenó de Santa Claus mal estacionado, pois as renas entraram em greve (o que deixou muito incomodado o dr. Paulo Portas e outros) pois querem seguro de circulação celestial e o bom velhinho entende que nem pensar. É óbvio que para estas cenas existe a concertação social, mas há sempre desmancha-prazeres que estragam  a concertação; quanto à social foi chão que deu uvas.
Quando comecei a escrever esta malfadada prosa tive uma esperança: o boss não vai deixar passar esta pepineira; mas, tanto quanto saiba ela gorou-se. Inicialmente pretendia fazer um conto próprio da época com um título lindo O Suave Milagre, mas um amigo avisou-me: deixa-te de tretas, o Eça de Queirós é menino para te arranjar um processo por plágio. Face à advertência prometi a mim próprio que de processos e insubstituíveis estão os cemitérios cheios exceptuando, obviamente, os fornos crematórios… Mas, não me fiquei por aqui.
Porém e dado que tomara uma decisão irrevogável, desisti, por fas ou por nefas do, título que me parecia muito suave. No entanto persisti denodadamente na escrita de um conto de Natal. Deixem-me que diga que o propósito é digno, apropriado e sincero. Mas as adversativas são o diabo, como escreveu o meu Amigo Francisco Seixas da Costa. No entanto não é um qualquer mas, todavia, contudo que ladre aos tornozelos de escriba; cão que ladra não morde. Mas, sensata e avisadamente, não me consta que exista um qualquer adágio que diga que cão que morde não ladra.
Nos últimos minutos dou por mim a pensar que fazer um conto de Natal é um bico-de-obra. Por múltiplas razões, a saber:
1)   Desde que S. Francisco de Assis, na cidade italiana de Greccio em 1223 resolveu fazer o primeiro nunca mais eles pararam de aparecer. São os cogumelos… Das mais diversas formas e feitios, nos mais diversos locais tornou-se a imagem do nascimento do Menino; donde não há qualquer possibilidade de ineditismo;
2)   Tal como os há dos mais diferentes materiais, desde o tradicional barro ao moderno alumínio desde a lusitana cortiça até ao moderníssimo  poliisocianurato, também existem estórias, canções, músicas e… contos de Natal;
3)   Dizia o Vasco Santana no Jardim Zoológico para um guarda dos animais “chapéus há muitos, seu palerma”; parafraseando o estudante (?) de Medicina Vasco Leitão que ele interpretava na “Canção de Lisboa”, o primeiro filme sonoro em Português, em 1933, pode-se também afirmar que “contos de Natal há muito” (ignorando o seu palerma), e creio que já chega.

Posto tudo em equação confesso, humílimo e contrito, que não sei quais são as premissas e muito menos a conclusão desta equação confusa. Mas que raio de ideia me foi sair escassos dias antes do 24/25. Por isso decido não fazer qualquer conto de Natal e fico-me pelo quase.

Etiquetas:

1 Comments:

Blogger opjj said...

De facto é melhor estar calado do que dizer baboseiras. Está obcecado com o irrevogável.Vá sonhando com Paulo Portas, assim sempre dirá mais uma baboseira.
Não se esqueça carregue no botão antes de se deitar e veja se o contador dos desempregados diminuiu e se já baixou de 499.999 os emigrados regressados com altos salários e bons empregos.
Boas Festas

19 de dezembro de 2015 às 19:34  

Publicar um comentário

<< Home