11.10.19

Vivam os Pequeninos!

Por Joaquim Letria
Não há grande interesse nem paciência para aturar os partidos em campanha, nem os respectivos políticos a jurarem pela mãezinha deles o que nos vão dar se forem eleitos e o que ficam agradecidos se nós votarmos neles. Felizmente que amanhã calam-se todos e depois se verá.
Por outro lado, agarraram nos partidos pequeninos, juntaram-nos todos para dizerem que faziam um debate sem excluídos, e com 17 homens e mulheres apertadinhos ombro a ombro num cenário vergonhoso puseram-se a dirigir-lhes perguntas de má vontade e com maus modos para nos mostrarem como os jornalistas são independentes.
Naqueles 17 havia de tudo, um cego, uma gaga profunda e gente sem experiência e confusa, mas também havia – há que reconhecê-lo – gente a saber muito bem o que queria para o seu país, com ideias arrumadinhas e de palavra fácil e inteligente que a gente nunca tinha ouvido nem nunca fixámos o nome do respectivo partido.
Dois destaques, se tal nos é permitido: a presença de Tino de Rãs, a quem querem transformar num bobo da corte mas que fala a sério, com respeito pelos outros e dando-se ele próprio ao respeito, e a humildade de Pedro Santana Lopes, que já foi presidente do Sporting Clube de Portugal, presidente da Câmara da Figueira da Foz, presidente do PSD, secretário de Estado, Ministro, primeiro Ministro e fora um dos meninos bonitos do Dr. Sá Carneiro.
Ainda importante, o acerto, concorde-se ou não, dos representantes do Livre, e do Nós Cidadãos, que bem podiam jogar na primeira liga em vez de estarem relegados para as divisões secundárias. As ideias e simpatia da dra. Joacine Katar Moreira, em muito prejudicada pela sua deficiência, são a demonstração clara da verdade da sua própria declaração: “Sou gaga a falar, mas não sou gaga a pensar”.
Já há bastante tempo que dou por mim a ver e a ouvir relatos de jogos de futebol das divisões secundárias. Há diversas razões para que assim suceda: os árbitros também se enganam mas roubam menos, os jogadores são geralmente piores mas entregam-se à luta e ao calor dos jogos e os adeptos conhecem todos as mães dos árbitros a quem tratam com grande intimidade.
Ainda que o futebol de segunda nada tenha a ver com os debates eleitorais, é mais divertido e interessante assistir a um Leixões-Sporting da Covilhã tal como é mais convincente ver os debates dos partidos pequeninos, que jogam para taça nenhuma, do que estar a ouvir os “líderes” (como eles dizem) a mentirem e a acusarem-se uns aos outros. Vivam os pequeninos!
Publicado no MInho Digital

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger Ide levar no déficite ide said...

Tino de Rans? os pequeninos ganharam 6 lugares e agora vão fazer o quê com eles?

11 de outubro de 2019 às 11:44  
Blogger opjj said...

Batem tanto no Presidente do CHEGA que é anti-tudo!

Alguém que explique porque foi maioritário lá para os lados do Sabugal onde predomina a etnia Cigana!

Cumps

11 de outubro de 2019 às 15:58  

Publicar um comentário

<< Home