20.6.11

De cruz

Por João Paulo Guerra

NÃO SEI o que chocou mais a opinião pública: se tomar conhecimento que mulheres e homens que no futuro vão administrar a justiça neste País se comportam como macaquinhos copistas nos exames, pressionados pela competição e por um conhecimento adquirido à pressa; se ficar a saber que a avaliação dos futuros magistrados, pessoas já com formação superior a adquirirem conhecimentos para a administração da justiça, se faz pelo sistema de respostas com cruzinhas, qual boletim dos jogos da Santa Casa. Porque copiar, para além do ilícito que constituirá em provas de aferição, sempre é uma actividade intelectual em que se reproduzem textos que se citam e identificam, ideias e formulações que outros fixaram e que passaram a constituir doutrina. Mas fazer prova dos conhecimentos adquiridos para exercer uma actividade tão rigorosa e responsável como é a administração da justiça com respostas por palpite entre hipóteses múltiplas sugere que no futuro as sentenças e acórdãos, as absolvições ou as penas, poderão ser ditados por escolha aleatória num boletim. Ou seja, sentenças de cruz.

Talvez toda esta estupefacção resulte de alguma ingenuidade e de irremediável romantismo. A ideia que muitos portugueses continuavam a ter sobre o CEJ era talvez a da instituição arejada e mesmo revolucionária dos tempos em que era seu director o Dr. Laborinho Lúcio. A dramaturgia da administração da justiça, a literatura judiciária, actividade de mulheres e homens cultos, que interagiam na sua formação com gente do teatro, da literatura e do jornalismo, abertos à vida e não se fechando na redoma dos códigos.

Não restam dúvidas que esses tempos já lá vão. Agora é de cruz. E já agora, copia-se, no pouco que há para copiar quanto à coluna em que se põe a cruzinha.
«DE» de 20 Jun 11

Etiquetas: ,

3 Comments:

Blogger José Batista said...

Ó senhores!

Qualquer dia não poderá haver outro tipo de testes que não sejam os de cruzinhas.
Por uma razão especial: nem mesmo (muit)os professores catedráticos vão saber escrever (em) português.
Dúvidas?

Esperem e verão. Do jeito que as coisas levam, falaremos (quase) todos por gesticulação "técnica". Ou coisa assim...

A não ser que os correctores informáticos resolvam...

20 de junho de 2011 às 17:54  
Blogger GMaciel said...

Caro amigo José Batista,

Como eu concordo consigo!!!!

Nem imagina como eu gostaria de ver Nuno Crato pôr travão ao novo aborto ortográfico - sendo possível, não sei, não conheço os moldes nos quais foi feita a "venda".

abraço

21 de junho de 2011 às 14:59  
Blogger José Batista said...

Olá, minha amiga Graça Maciel,

É um contentamento, merecer de si o tratamento de amigo.

Julgo que a Nuno Crato não falta "sarna" para se coçar. Pela minha parte, sinto satisfação por ser ele o novo ministro da educação. Já bastava...
Quanto a essa coisa das novas ortografias, suponho que estará para além dele.

Como sabe, gosto muito dos seus comentários, pela clareza, frontalidade e autenticidade que vejo neles.

Um abraço para si.

21 de junho de 2011 às 15:34  

Publicar um comentário

<< Home