13.2.20

A laicidade e a liberdade religiosa

Por C. Barroco Esperança

A laicidade é uma exigência da liberdade religiosa, condição para que todos possam ter a sua crença, descrença ou anti-crença. Todos somos ateus em relação aos deuses dos outros, e os ateus só o são em relação a mais um.

Numa sociedade democrática todos os crentes devem ver defendido o direito à fé que perfilham e aceitar iguais direitos aos fregueses de outra fé ou de nenhuma. O Estado só pode cumprir cabalmente a função que lhe cabe se for escrupuloso na neutralidade que deve assumir, se ao Estado estiver vedado o direito de exercer qualquer poder religioso e às Igrejas o exercício de qualquer poder político.
A França, tal como Portugal, depois do 25 de Abril, garante a liberdade religiosa como direito constitucional. Quem conhece a história sangrenta das lutas religiosas na Europa, sabe que a paz só foi possível com a separação do Estado e Igrejas e a garantia da neutralidade religiosa dos Estados. A sua longa história de violência religiosa levou a França a adotar o forte compromisso com a manutenção de um setor público totalmente secular.
A lei de 9 de dezembro de 1905, em vigor, que aboliu a Concordata napoleónica e repôs a herança iluminista, determina:
Artigo 1º - A República assegura a liberdade de consciência. Ela garante o livre exercício dos cultos;
Artigo 2º - A República não reconhece nem contrata nem subvenciona qualquer culto.
Em 1905, a neutralidade religiosa imposta contra a vontade da Igreja católica, revelou-se de grande utilidade quando, além dos protestantes, muito minoritários, a concorrência era insignificante.
Hoje, perante religiões hostis ao ethos civilizacional europeu, herança do Renascimento, Reforma e Iluminismo, a Europa só pode preservar o legado democrático da Revolução Francesa e conter o proselitismo belicista de crenças totalitárias que a ameaçam, com as exigências da laicidade, e tratar os desmandos religiosos como casos de polícia.

Não foi por acaso que Emmanuel Macron, a propósito do 5.º aniversário dos atentados contra o Charlie Hebdo, nos tradicionais votos à Imprensa, declarou a partir do Palácio do Eliseu: «É importante que o nosso país não ceda a esta lapidação e à ordem moral, e que continuemos a criticar todas as formas políticas e todas as religiões. Somos um país onde a liberdade de blasfémia existe e queremos continuar a sê-lo». *
Em Portugal o anacrónico delito ‘blasfémia’, de sabor medieval, ainda existe no Código Penal. O bom-senso dos juízes privilegia a liberdade de expressão, mas é tempo de o abolir.

* Courrier Internacional n.º 288, fevereiro de 2020, pág. 8.

Etiquetas:

1 Comments:

Blogger Unknown said...

Did you know there's a 12 word sentence you can communicate to your man... that will induce deep emotions of love and impulsive appeal to you buried inside his heart?

That's because hidden in these 12 words is a "secret signal" that fuels a man's instinct to love, idolize and protect you with all his heart...

12 Words That Trigger A Man's Love Instinct

This instinct is so built-in to a man's brain that it will drive him to try better than before to build your relationship stronger.

Matter of fact, triggering this mighty instinct is absolutely mandatory to achieving the best ever relationship with your man that the second you send your man one of the "Secret Signals"...

...You will soon find him expose his mind and heart for you in a way he's never expressed before and he will distinguish you as the one and only woman in the universe who has ever truly interested him.

8 de março de 2020 às 16:15  

Publicar um comentário

<< Home