4.3.08

Lembram-se de José de Lemos?

UM EXEMPLAR deste livro infantil, ilustrado pelo saudoso José de Lemos, será enviado ao primeiro leitor que, recordando-se ainda dele, escreva algumas linhas a seu respeito (a seguir ao comentário-4, evidentemente!).
Tal não lhe será difícil, pois decerto se lembrará da Página Infantil do Diário Popular, dos impagáveis diálogos (dos palhaços, mas não só), do inesquecível «A sua pessoa de você», de histórias como a do homem que vendeu o assobio ou do que inventou a «Tremoçó-pó-gasolina»...
*
NOTA: este livro, da autoria de uma famosa dupla de escritores - v. [aqui] -, já é velhinho; foi encontrado numa feira, um pouco manuseado, mas vale tanto pela história (que é uma verdadeira delícia - levando-nos a perdoar as suas muitas gralhas...), como pelas referidas ilustrações.

Etiquetas: ,

5 Comments:

Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

A «tromoço-pó-gasolina», anunciada há mais de 50 anos, estava, afinal, avançada em relação aos biocombustíveis de hoje:

Num dos diálogos absurdos que faziam as nossas delícias, uma das personagens ia comendo tremoços e guardando as cascas.
O outro perguntava-lhe a razão disso, e o primeiro explicava-lhe que tinha inventado um novo combustível (com o tal nome), feito a partir de pó de cascas de tremoço.

4 de março de 2008 às 11:34  
Blogger Carlos Medina Ribeiro said...

A outra história referida, era de um homem que levava uma vaca para vender enquanto ia assobiando pelo caminho.

A certa altura, apareceu outro, que não sabia assobiar, e lhe quis comprar... não vaca, mas o assobio.

Tenho ideia que o dono da vaca disse qualquer coisa como «Dou-lhe o assobio se me comprar a vaca», e o negócio fez-se...

4 de março de 2008 às 11:42  
Blogger Alice Vieira said...

Ainda fui amiga do José de Lemos, quando ambos trabalhávamos no "Diário Popular".

Baixinho, muito afável, sempre com um sorriso ao canto da boca,era um grande desenhador (e oferecia os desenhos a toda a gente, como se aquilo não tivesse importância nenhuma...) e escrevia muito bem para os mais novos (teve, de resto, vários prémios).

A página infantil que ele dirigiu imensos anos no "DP" era muito popular. Ainda bem que se lembrou de falar dele.

4 de março de 2008 às 18:18  
Blogger Baptista-Bastos said...

Fiquei comovido com a evocação de José de Lemos. Foi um ser humano extraordinário, o maior desenhador do segundo modernismo, um invulgar contador de histórias para crianças, um infatigável trabalhador e, também, um pintor de mão feliz.

Foi, com o meu pai e outros mais, fundador do «Diário Popular», e criador da admirável Página Infantil daquele vespertino, onde, por sua estima, comecei a escrever, com 14 anos.

Devo, ao Zé de Lemos, a ternura, o afecto, a amizade sem mácula, a bonomia, a solidariedade e a grandeza humana. Logo pela manhã, 7 horas, sentava-se ao estirador, colocado na Redacção, e desenhava e ilustrava todos os textos que lhe entregavam. Como este pobre país assassina duas, três vezes, os seus filhos maiores, o Zé não escapou à regra. Porém, está no coração de quem o conheceu. Já somos poucos. Mas persistimos nessa cerimónia privada da amizade.

Bem-haja o Sorumbático: com o texto de Medina Ribeiro fez-me ganhar o dia, a semana, o mês.

4 de março de 2008 às 20:28  
Blogger Rita Santos said...

Olá, desculpem o atraso de vários anos no comentário - mas só hoje descobri este blog.

Os livros para crianças do José Lemos fazem parte do meu universo infantil.

Tenho 46 anos. :)

Ainda tenho comigo "O Compadre Simplório Tinha os Pés Tortos e outras histórias", editado, salvo erro, pela Ática.

Actualmente sou eu que leio histórias para crianças, pois sou animadora sociocultural numa biblioteca pública.

Adorava fazer um projecto só com as histórias do José Lemos, pois sou uma apaixonada do universo que nos propõe.

Lamentavelmente, apenas conservo um dos quatro livros infantis que, julgo, foram editados.

Será que algum ou alguma de vós sabe onde consigo encontrar os restantes? Algum alfarrabista, por exemplo?

Muito Grata.

Rita Santos

13 de março de 2015 às 19:22  

Publicar um comentário

<< Home