21.1.12

Gaste menos, Sr. Presidente

Por Ferreira Fernandes

NÃO VOU referir números porque eles são traiçoeiros. Por exemplo, ontem, um leitor do DN online, treslendo o que Cavaco Silva dissera sobre a sua reforma, escreveu na caixa de comentários: "Ouviram bem? 1300 euros! Quando a maioria dos portugas ganha de salário médio 800 euros..."
Claro que Cavaco não tem 1300 euros de reforma, nem dissera tal, e claro que um Presidente da República, com vários anos de primeiro-ministro e de professor universitário, ter uma reforma só de 1300 euros - o que o eleitor achava excessivo - seria ridiculamente baixo.
Por isso, aqui, nada de números. Mas as declarações de Cavaco Silva merecem um tratamento lógico. Ele ganha X. Esse X foi uma escolha que ele próprio fez, optando pelas reformas em vez do salário presidencial, que era Y. Sendo o X maior que o Y - porque Cavaco não é tolo e até é professor de Finanças.
Aqui chegados, relembremos a raiz do escândalo: o Presidente disse ontem que a sua reforma pela Caixa Geral de Aposentações somada à do Banco de Portugal (soma que é o tal X já referido) "não vai chegar para pagar as minhas despesas". Ora se X não chega, Y, que é menor, chegaria menos. Quer dizer, o salário de Presidente da República não é suficiente para este Presidente da República. Portanto, Cavaco vive acima das suas possibilidades.
Se era para confirmar uma pecha de que os finlandeses nos acusam, está feito. Mas eu preferia que a prova não fosse confessada tão de cima.
«DN» de 21 Jan 12

Etiquetas: ,

5 Comments:

Blogger Curioso said...

http://www.largodascalhandrices.com/2012/01/tadinho.html

21 de janeiro de 2012 às 09:56  
Blogger José Batista said...

Outro procedimento que o senhor presidente da república podia adotar era demitir-se e deixar o lugar vazio. O país não perdia nada e ele evitava o prejuízo que está a ter com o país.

Assim como assim...

21 de janeiro de 2012 às 12:39  
Blogger Bmonteiro said...

From Belem, with love...
Não acertam/os uma.
O Regime e o seu espelho.

21 de janeiro de 2012 às 16:52  
Blogger Mg said...

O povo, em alturas de crise, supera-se.

Pela minha parte, e por forma a evitar que o sr. Silva passe pela suprema vergonha (por ser o mais alto dignatário da Nação) de ter de recorrer ao Banco Alimentar, contribuirei, por alturas do Natal - e se entretanto a sua parca situação não conhecer dias melhores (compre uma acçoezitas a preço de saldo, sr. Silva...) - com um bolo-rei, um quilo de arroz e uma garrafa de azeite.

Fica, desde já, o desafio: sejemos solidários. Ajudemos este pobre senhor e sua remediada esposa, que tão necessitados estão.

21 de janeiro de 2012 às 17:27  
Blogger Mykah said...

Sendo ele professor de Finanças, não tem investimentos (acções, certificados de aforro...)?

22 de janeiro de 2012 às 13:44  

Enviar um comentário

<< Home