2.12.12

Adérito Sedas Nunes

Por Maria Filomena Mónica
ONTEM, enviaram-me uma carta com um selo no qual aparece um rosto junto a uma revista intitulada Análise Social. No canto direito, em letras pequeninas, surge o nome da pessoa, Adérito Sedas Nunes. Foi ele quem, faz agora cinquenta anos, criou a disciplina da Sociologia em Portugal.
Há pessoas que mudam as nossas vidas: o Adérito, como insistia em ser tratado, foi uma delas. À partida, tudo nos separava, mas tornámo-nos amigos. Conheci-o, em 1974, no gabinete onde ainda hoje trabalho. Disse-me que gostaria de me convidar para sua assistente na Universidade. Respondi-lhe que, não tendo terminado a tese de doutoramento em Oxford, não me sentia preparada, mas acabou por me convencer.
Em Março de 1974, começámos a dar aulas no recém-criado ISCTE. A cadeira que me foi atribuída chamava-se «Demografia, Povoamento e Recursos Humanos», um eufemismo para significar «Introdução à Sociologia». Dado a mesma tratar, na aparência, de assuntos demográficos, mandei os alunos ler o capítulo, de «O Capital», sobre o Exército Industrial de Reserva. No dia seguinte, o Adérito informou-me ter eu, na aula, um informador da PIDE. Ri-me. Aconselhou-me a não brincar com coisas sérias.
Sem que disso tivéssemos conhecimento, íamos atravessar um vendaval. Ainda os capitães de Abril andavam com cravos nas metralhadoras e já ele e eu havíamos sido eleitos, em Assembleia-Geral de Escola, para um Conselho Directivo, onde tínhamos de nos sentar ao lado de estudantes mal encarados. Quanto percebi que iria ser obrigada a dar notas a grupos de trabalho, saí.
Para mim, foi simples; não para ele. Odiou a sua passagem pelo poder, como ministro, como, antes, detestara a presidência da Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica. Pelas boas e más razões, não apreciava a luta política. Gostava de permanecer em casa a ler, e de ir, à tarde, até ao Gabinete de Investigações Sociais, o organismo por ele fundado com dinheiro - pouco - da Fundação Gulbenkian.
A sua grande obsessão era a integração do organismo que criara na Universidade. Foi por esta altura, no início dos anos 1980, que, aos Sábados, começou a vir lanchar a minha casa. O pretexto era o chá que eu servia, «Earl Grey», mas a intenção era discutir a institucionalização do GIS. Eu temia possíveis desvios burocráticos, ao que ele contrapunha a necessidade de o seu gabinete se dotar de um «quadro» de investigadores. Em 1982, nascia o ICS.
É difícil exagerar a importância que a Análise Social, por ele fundada em 1963, teve no panorama intelectual português. Lendo-a agora, noto o quanto o Adérito foi importante para a sua qualidade. No fim da vida, a depressão, que há muito o consumia, agravou-se. Numa das nossas últimas conversas, insisti para que voltasse à escrita. Por esta altura, andava fascinado pela História, tendo-me dito que gostaria de escrever uma obra intitulada «Livres e Iguais». Não chegou a começá-la. Em 1991, com apenas 63 anos, deixou-se morrer.
«Expresso» de 24 Nov 12 

Etiquetas:

1 Comments:

Blogger Pedro Pinguela said...

Gostei muito do texto. Agradecido.
Dei os meus primeiros passos na Sociologia e no conhecimento científico lendo os livros do Prof Adérito Sedas Nunes.
Tenho algumas revistas Análise Social. Do melhor que se faz em Portugal.
Li já alguns trabalhos seus. Tornaram-me mais pessoa.

2 de dezembro de 2012 às 17:17  

Enviar um comentário

<< Home