17.9.08

O argumento da honra

Por Baptista-Bastos
A ÉTICA REPUBLICANA iluminava as virtudes do carácter e a grandeza dos princípios. As revoluções, idealmente, não são, apenas, alterações económicas e substituições de regimes. Transportam a ideia feliz de modificar as mentalidades. Essa mistura de sonho e ingenuidade nunca se resolveu. A esperança no nascimento do "homem novo" não é exclusiva dos bolcheviques. O homem das revoluções jamais abandonou o ideal de alterar o curso da História e de modelar os seus semelhantes à imagem estremecida das suas aspirações.
É uma ambição desmedida? Melhor do que ninguém, respondeu Sebastião da Gama: "Pelo sonho é que vamos/comovidos e mudos./Chegamos? Não chegamos?/Partimos. Vamos. Somos." A ética republicana combatia a sociedade do dinheiro, da superstição religiosa, da submissão, e pedia aos cidadãos que fossem instrumentos de liberdade. As "raízes vivas", de que falou Basílio Teles.
(...)
Texto integral [aqui]

Etiquetas:

4 Comments:

Blogger Táxi Pluvioso said...

A teoria é muito bonita. Mas aquilo que o povo mais aproveitou na Revolução Francesa foi o espectáculo da guilhotina.

17 de setembro de 2008 às 11:40  
Blogger Jorge Oliveira said...

A atitude da Ramalho Eanes é de louvar. Mas o episódio que está na origem, uma lei ad hominem para atingir Eanes, diz muito da personalidade de Mário Soares. Não passa de um finório vingativo.

17 de setembro de 2008 às 19:00  
Blogger R. da Cunha said...

Que elegância de gesto. E que bofetada de luva branca.

18 de setembro de 2008 às 00:00  
Anonymous Anónimo said...

Dos Grandes Hombres: General Antonio Ramalho Eanes, Jornalista Baptista Bastos

28 de setembro de 2008 às 14:31  

Publicar um comentário

<< Home